Navigation – Plan du site

Avaliação dos impactos do uso público em trilhas: uma metodologia baseada no estudo de uma trilha interpretativa - Parque Estadual Mata dos Godoy, Paraná

Évaluation des impacts de l’utilisation publique sur les sentiers : une méthodologie basée sur l’étude d’un sentier d’interprétation- Parc d’État Mata dos Godoy, Paraná
Claudia Melatti et Rosely Sampaio Archela

Résumés

Les sentiers sont les zones les plus fréquentées par les visiteurs dans les parcs,   cependant, beaucoup d'entre eux sont limités à utiliser.Le dilemme actuel est de savoir comment maintenir la conservation de l'environnement et les visites publiques dans les zones protégées sans compromettre la biodiversité du lieu et dans le même temps la qualité de l'accès du public.Dans cette étude,cherché à enquêter sur l'état de conservation d'un sentier utilisé par les visiteurs dans le Parc d´État “ Mata dos Godoy”, Londrina – Paraná, afin d'évaluer les impacts possibles existantes et   un comportement conscient des visiteurs. L'enquête sur les indicateurs d'impact ont été recueillis 13 points (treize) d'observation.Une enquête de 366 (trois cents soixante-six ) visiteurs a été effectuée, pendant la période de mai à octobre en 2010, afin de vérifier leur connaissance de la pratique de l'impact minimal.En analysant l'état de conservation de l'environnement du sentiers, il a été constaté que les mêmes restes conservés malgré l'utilisation.La façon dont il a été conçu, associée à de sensibilisation d´éducation à l'environnement donné de bons résultats, qui permet la possibilité d'intégrer la conservation de l'environnement et les visites publiques.

Haut de page

Texte intégral

1As trilhas abertas para uso público em unidades de conservação são as mais frequentadas, portanto, sofrem pelo uso. É comum a restrição parcial ou total delas para visitação pública. Diversos motivos levam ao fechamento das trilhas, porém os mais comuns são: a forma como estão projetadas e o mau comportamento dos visitantes. Isso faz com que muitas vezes os visitantes sejam proibidos de percorrer uma determinada trilha ou área da unidade de conservação, geralmente as de maior beleza cênica. Em alguns parques as trilhas que sobram para visitação pública são aquelas com ausência de cursos de rios e alteradas pelo homem, o que não representa o estado primitivo do local, motivo que as torna pouco atrativas para a maioria dos frequentadores. Mesmo estas, ao terem acesso, os visitantes podem sentir o peso das regras e proibições. Assim, muitas vezes se constata que o direito de ingressar às unidades de conservação, estabelecidos na Lei N°9.985/2000(BRASIL, 2000), não são respeitados. Já para os gerentes que manejam a área, a proibição, restrição e normas, é talvez, a única forma de conter o processo de degradação da área.

  • 1  Foi a partir dessa problemática que se buscou realizar esta pesquisa, como parte da dissertação do (...)

2O que se presencia atualmente é um dilema entre a visitação pública e conservação ambiental nas unidades de conservação. Até que ponto é possível harmonizar visitação pública e a conservação do ambiente?1

3A área escolhida para desenvolver o estudo foi o Parque Estadual Mata dos Godoy, situado no município de Londrina/PR. Entre as trilhas existentes no local, a Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras foi a selecionada por estar aberta à visitação pública e ser a mais frequentada. A coleta de dados ocorreu no período entre maio de 2010 a janeiro de 2011.

4Para dar início aos procedimentos da pesquisa, procurou-se avaliar o estado de conservação da trilha. Por meio de atividades de campo, realizou-se a coleta de dados qualitativos dos indicadores de impactos. Foram selecionadas as seguintes variáveis para análise: 1) condições da vegetação, 2) condições do leito da trilha e 3) danos ambientais causados pelos visitantes. Os dados foram coletados em 13 (treze) pontos de observação e o registro dos mesmos foram realizados ao longo da trilha.

5Uma enquete entre os visitantes foi realizada com o objetivo de verificar o nível de conhecimento de prática de mínimo impacto em ambientes naturais. Assim, foram levantados os possíveis impactos existentes na trilha e a conduta consciente dos visitantes, a fim de abrir a discussão entre conservação ambiental e visitação pública de qualidade nas unidades de conservação brasileiras.

A conduta consciente do uso público em unidades de conservação

6Para formar um cidadão consciente é fundamental que este desempenhe um papel importante e vital para a conservação do ambiente(CUNHA, 2010). Porém, somente a partir do século XX que o despertar da consciência ambiental pela sociedade mundial e brasileira ganhou destaque. Foi a partir da Primeira Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, realizada em Estocolmo em 1972, que foram difundidas ações em defesa do meio ambiente. Nos Estados Unidos, a instituição denominada “Leave No Trace” (Não Deixe Rastro), criada a partir do resultado da construção de um conjunto de princípios éticos, com a mesma denominação “Leave No Trace”, propôs a educação ao ar livre, com o objetivo principal de minimizar o impacto do visitante em áreas naturais por meio de experiências práticas com o ambiente (Nols, 2010).

7Na mesma década (1970), excursionistas brasileiros baseados no conjunto de princípios éticos do “Leave no Trace”, desenvolveram o “Pega Leve”. Trata-se de uma ética que orienta a conduta adequada do cidadão consciente para a importância da conservação da biodiversidade do Brasil. Este programa evoluiu e vem sendo difundido no país por meio de folhetos, palestras e oficinas, principalmente por clubes de montanha e órgãos governamentais (Brasil, 2003; Centro Excursionista Universitário, 2010).

8Segundo Parkin (1998), na Austrália campanhas educacionais visam a contribuir para a conduta ética em ambientes naturais por meio da prática de mínimo impacto, conceituada como um código de conduta para usuários de áreas naturais destinado a manter valores ecológicos e intrínsecos de ambientes naturais para recreação ao ar livre.

9A conduta de mínimo impacto é constituída por oito princípios básicos:

  • Planejamento é fundamental;

  • Cuidados em locais por onde passar, trilhas, acampamentos;

  • Deixar cada coisa em seu lugar;

  • Respeitar os animais e as plantas;

  • Você é responsável pela sua segurança;

  • Trazer seu lixo de volta;

  • Evitar fazer fogueiras;

  • Ser cortês com outros visitantes e população local; (centro excursionista universitário, 2010).

10A educação de mínimo impacto é uma das técnicas importantes para gerenciar a recreação em áreas naturais. Sua aplicação combinada com outros métodos pode minimizar a degradação ambiental (Parkin, 1998).

11Segundo Hampton e Cole (1988), o sucesso da conservação ambiental depende muitas vezes da boa vontade do individuo de aprender a pensar e a se comunicar com o ambiente. Os visitantes devem considerar as variáveis de cada lugar, o solo, vegetação, fauna, umidade, isto é, considerar as particularidades do ambiente e usar seu julgamento para saber que prática adotar. A educação do visitante para a prática do mínimo impacto deve culminar no desenvolvimento de uma ética ambiental. Trata-se de uma questão de atitude e consciência, mais do que de regras e regulamentos. (Barros, 2003).

12Cole apud Barros (2003), afirma que os programas de educação ao visitante tendem a fornecer poucas justificativas para suas recomendações. Por exemplo, os visitantes são frequentemente proibidos de acampar perto dos rios, entretanto, as razões para essa recomendação não são claramente explícitas. Quando não compreendem porque uma ação é importante, concluem que ela não é relevante. Para Barros (2003), na maioria dos casos, o uso público é visto como um grande problema e os impactos causados pela recreação são manejados principalmente por meio da restrição de uso, fechamento de áreas e maior regulamentação das atividades, gerando consequentemente a diminuição das alternativas de atividades disponíveis e a restrição da liberdade do visitante. Infelizmente, segundo Hampton e Cole (1988), as restrições de uso e manejo adequado das unidades de conservação geralmente ocorrem após ter havido degradação das mesmas.

13As unidades de conservação possibilitam o uso público em seus espaços, o que atesta uma das suas finalidades de criação. Entre seus objetivos estão o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico (Brasil, 2000). Porém, o que se presencia com frequência atualmente é um conjunto de restrições, seja através de recreação e lazer, seja no contato das populações próximas e até das residentes.

14Mesmo com as restrições, é significativo o aumento de visitantes em parques, fato que tem gerado pressões para que o acesso seja restabelecido, criando problemas administrativos. (Magro, 1999).

15Leuzinger (2003) afirma que o aumento da visitação em unidades de conservação se deve à popularidade do turismo ecológico, havendo necessidade de conciliar uso público com preservação da biodiversidade. Não significa proibir a visitação que, apesar de gerar impactos, oferece diversas vantagens, como educação ambiental, lazer, geração de receitas para a unidade de conservação e para a população do entorno.

16A educação ambiental através de posturas e práticas que envolvem a conduta de mínimo impacto representa um dos caminhos para atingir tais objetivos. Se desenvolvida com a aplicação da conduta de mínimo impacto pode baixar ou até tornar nulos os impactos dos visitantes. Geralmente o uso público se restringe às trilhas, as quais merecem atenção no que se refere à sua implantação, manejo, conservação e educação dos visitantes.

17Trilhas implantadas de forma desordenada e sem levar em conta os aspectos físicos como relevo, hidrografia e vegetação, por exemplo, podem contribuir para o desencadeamento de impactos, potencializado pelo não entendimento da dinâmica física do local (Maganhotto, Santos, Miara, 2009). Os problemas relacionados ao lixo que, ao ser deixado nas trilhas, compromete os recursos hídricos e o solo. Danos ambientais causados por atos de vandalismo podem afetar principalmente a vegetação e o patrimônio histórico e cultural do local. Galhos são quebrados nas bordas das trilhas, plantas são arrancadas e monumentos históricos danificados. Para Hampton e Cole (1988) muito dos impactos causados pelos visitantes estão relacionados com a sua inconsciência, devendo-se mais ao seu comportamento que ao número excessivo deles.

18Entre as unidades de conservação abertas à visitação pública no Estado do Paraná está o Parque Estadual Mata dos Godoy, que tem um papel muito importante para a região no que se refere à conservação e educação ambiental, motivo que determinou a sua escolha para o desenvolvimento desta pesquisa.

 O Parque Estadual Mata dos Godoy

19O Parque Estadual Mata dos Godoy (PEMG) situa-se na região norte do Estado do Paraná, no município de Londrina (Figura 1). Suas coordenadas geográficas estão entre 23º 27' de latitude S e 51º 15' de longitude W, com altitude média de 600 metros, abrangendo uma área de 690,17 ha. Criado em 5 de junho de 1989, iniciou a recepção de visitantes em 1995 (Santos, 2002; Vicente, 2006).

Figura 1 – Localização do Parque Estadual Mata dos Godoy.

Figura 1 – Localização do Parque Estadual Mata dos Godoy.

Fonte: Melatti e Rosolém, 2011.

20Situado no terceiro planalto paranaense, região que sofreu com a derrubada intensiva de florestas no início da expansão cafeeira, o parque ainda abriga uma área representativa da Mata pluvial-tropical, mais especificamente classificada como floresta estacional semidecídua submontana. (Maack, 2002; Silveira, 2006). Essa vegetação representa uma variação da mata pluvial-tropical do litoral, por ter se desenvolvido sobre solos férteis, solos de terra roxa, provenientes da decomposição de lavas básicas (Maack, 2002). Esses derrames propiciaram a formação de um relevo suavizado, desenvolvendo solos profundos e bem estruturados, o latossolo roxo eutróficoe a terra roxa estruturada eutrófica (Santos, 2002).

21O clima da região onde o parque se localiza é subtropical úmido, mesotérmico, do tipo Cfa. Apresenta verões quentes e as geadas são pouco frequentes. A temperatura média na região fica em torno de 21ºC. O verão é quente na maioria dos dias e a temperatura fica em torno de 31ºC (Santos 2002; Vicente, 2006).

22O Parque está classificado, segundo o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), como unidade de conservação de proteção integral, composta por seis zonas: Zona Primitiva; Zona de Uso Extensivo; Zona de Uso Intensivo; Zona de Recuperação; Zona de Uso Especial e Zona de Uso Conflitante (Instituto Ambiental o Paraná, 2002). Conforme o Plano de Manejo do Instituto Ambiental do Paraná, o parque conta com três trilhas abertas à visitação pública. As trilhas mais freqüentadas são: Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras e a Trilha Projeto Madeira, que estão situadas na Zona de Uso Extensivo, cuja porção corresponde a 2,53% do total da área. A Trilha dos Catetos e do Peter situam-se na Zona Primitiva, sendo a última restrita à visitação pública (Figura 2).

Figura 2 - Trilhas e trajetos do Parque Estadual Mata dos Godoy

Figura 2 - Trilhas e trajetos do Parque Estadual Mata dos Godoy

Fonte: Melatti e Rosolém, 2011

23A Trilha Projeto Madeira (A) é composta por reflorestamento da vegetação nativa e se encontra com a Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras (B) na porção sul. A Trilha dos Catetos (C), apesar de estar em Zona Primitiva, é aberta sem restrições por ser uma antiga estrada já existente na área (Figura 3).

Figura 3: Trilhas abertas à visitação pública.

Figura 3: Trilhas abertas à visitação pública.

Fonte: fotografia de Márcio Carvalho (2010)

24A Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras é a principal do parque e recebe maior número de visitantes. Tem o seu início a partir do portal, rumo norte-sul num percurso de aproximadamente 750 metros (Santos, 2002). De formato circular, foi construída em uma área mais plana e sua largura não ultrapassa os 2 metros. Esta pesquisa optou por analisar toda a extensão. 1.100 metros, com os 750 metros de floresta nativa e 350 metros de reflorestamento Projeto Madeira. Nos 750 metros de floresta nativa é possível encontrar exemplares de vegetação que representam a floresta da região, estacional semidecídua, fato que possibilitou desenvolver a interpretação da natureza durante o seu percurso. Os atributos paisagísticos se concentram mais na diversidade da flora. Na trilha se desenvolvem atividades de educação ambiental por parte dos gestores do parque. A capacidade de suporte da trilha, nas condições atuais é de no máximo 111 pessoas por dia, que podem ser divididas em 11 grupos de 10 (Instituto Ambiental do Paraná, 2002).

Procedimentos metodológicos

25 Esta pesquisa teve como base os estudos de Magro (1999) e Barros (2003), que utilizaram parte desses procedimentos metodológicos em seus estudos sobre o Parque Nacional do Itatiaia-RJ, nos quais fizeram uso de seleção de indicadores de impactos nas trilhas. Com o embasamento na metodologia citada, buscou-se obter mais elementos que pudessem contribuir para a pesquisa. Entre esses elementos está a utilização de uma trilha como parâmetro de avaliação de impactos, a Trilha do Peter, sem uso pelos visitantes, a fim de observar e fazer comparação entre o seu estado de conservação e o da trilha aberta à visitação.

26Outro elemento importante para avaliar o estado de conservação da Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras foi a análise do comportamento dos visitantes. Buscou-se, por meio de enquete, investigar a conduta consciente de mínimo impacto difundida pelo programa “Pega Leve”.

27Os princípios do programa selecionados foram os de número: 1,2,3, 4 ,6 e 8. A seleção e avaliação dos indicadores de impactos, a análise comparativa de uma trilha sem uso e o estudo do comportamento dos visitantes foram os procedimentos realizados para avaliar o estado de conservação da Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras.

28Ao iniciar os procedimentos metodológicos da pesquisa, que é parte do estudo sobre a “Avaliação de Impactos Causados pelos Visitantes em Trilhas” (Melatti, 2011), buscou-se selecionar três indicadores de impactos que mais refletiriam as condições da área em estudo: vegetação, leito da trilha e danos.

29Vegetação: houve a verificação no ponto de observação e ao lado da trilha, registrou-se o estado da vegetação e a intensidade do pisoteamento (pouco ou muito). Foi anotado o número de ocorrências, a presença (s/n – sim ou não) e ou a intensidade (pouco ou muito), da vegetação degradada, árvores com raízes expostas e solo nu fora da trilha (Magro, 1999; Barros, 2003). Foi incluída a presença de serrapilheira como indicador de impacto, no caso de sua ausência na trilha. Esse indicador é relevante, pois a conservação do solo está associada diretamente a sua presença (Feola, 2005).

30Leito da trilha: verificação da existência de canal, sulco, erosão lateral e exposição de pedras. Medição em cada um dos pontos da largura da trilha. Anotação dos números de ocorrências e a intensidade ( pouco ou muito).

31Danos: verificação da ocorrência de vandalismo nas estruturas, em árvores e outros tipos de vegetação, rochas, lixo na trilha, anotando sua presença ou ausência.

32Os indicadores de impactos ambientais foram monitorados por meio de observação e registro de campo, conforme Quadro 1. Para obter as informações sobre os possíveis impactos, decidiu-se utilizar a sistemática empregada por Magro (1999) e Barros (2003), divisão da trilha em parcelas com intervalos de 50 metros e com um ponto de coleta de informações em cada intervalo. Optou-se por avaliar os indicadores de impacto de forma qualitativa.

Quadro 1- Ficha de Campo de Levantamento de Impacto nas Trilhas

Quadro 1- Ficha de Campo de Levantamento de Impacto nas Trilhas

Fonte: Elaborado pela autora.

33A coleta das informações dos indicadores de impactos foi realizada nas duas trilhas do parque, a Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras (utilizada pelos visitantes) e a Trilha do Peter (não utilizada pelos visitantes). Na Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras foram realizados três levantamentos dos dados: no outono (22/05/2010), no inverno (10/08/2010) e no verão (23/01/2011).

34A Trilha do Peter foi utilizada apenas como parâmetro de conservação ambiental e a coleta das informações ocorreu em uma etapa (02/11/2010). Para demarcar e mapear a Trilha do Peter foi necessário a obtenção de imagens do Google Earth, o uso do GPS e as fitas de sinalização nas árvores (Figura 5) e (Figura 6), as quais foram importantes para encontrar a direção da trilha.

Figura 5 – Marcação na trilha

Figura 5 – Marcação na trilha

Figura 6– Sinalização da trilha

Figura 6– Sinalização da trilha

Fonte: Fotografias de Marcio Carvalho (2010).

35Concomitante ao mapeamento e coleta dos indicadores de impactos, realizou-se a aplicação da enquete entre os visitantes (Quadro 2), sendo que a aplicação ocorreu entre os meses de maio a outubro de 2010.

36Visitas frequentes foram realizadas para diversificar a amostra, porém, foi maciça a presença de estudantes entre os entrevistados. A princípio, optou-se por amostra sistemática, de modo que a cada 10 (dez) visitantes, o 11º (décimo primeiro) seria selecionado. No entanto, nas primeiras aplicações, verificou-se que a amostra sistemática não traria bons resultados, pois, além do baixo número de visitantes, os grupos, geralmente escolares, possuíam a mesma faixa etária. Assim, a escolha foi por diversificar e aplicar uma quantidade proporcional para cada grupo visitante, em uma determinada data.

37Diante os objetivos não foi estabelecida uma regra básica, sendo flexível, conforme o tamanho do grupo e a necessidade da pesquisa.

38O tamanho da amostra teve como base na técnica de amostragem aleatória simples. Como tamanho da população, utilizou-se o número total de visitantes do ano de 2009, eu foi de 4.403 pessoas, resultando numa amostra de 366 indivíduos, com margem de erro de 5%.

Quadro 2 – Enquete sobre prática de mínimo impacto de visitantes

Assinale com X na coluna ao lado a frase correta:

X

1)O lixo que você tem no final da trilha de sua visita, deve ser:

a) Deixado na trilha, algum monitor vai recolher;

b) Enterrado em um buraco com boa profundidade;

c) Escondido para que outros visitantes não enxerguem;

d) Colocado num saquinho e levado de volta.

2)Ao caminhar na trilha, avista uma poça de lama, você:

a) Desvia pelo lado da poça e continua a trilha;

b) Passa por dentro da poça;

c) Da um salto e pula, o bom é aventura.

3) Ao se deparar com um animal peçonhento na trilha, você:

a) Pega um galho e mata o animal, pode prejudicar alguém;

b) Espera o animal ir embora e continua a trilha;

c) Grita para que o guarda parque resolva a situação.

4) Ao conhecer um parque você deve:

a) Entrar e caminhar pelas trilhas;

b) Buscar informações sobre o local;

c) Caminhar com grandes grupos;

5) Ao andar pelas trilhas do parque, você:

a) Evitar levar planta para casa;

b) Ouvirmúsicas do celular nas trilhas;

c) Comer e alimentar os animais na trilha.

Fonte: Elaborado pela autora

39Para representar as trilhas e facilitar a sua caracterização, empregou-se técnicas de Geoprocessamento por meio do uso do GPS (Sistema de Posicionamento Global), que facilitou a demarcação do início e final da trilha, sua extensão, a altitude, coordenadas geográficas e os pontos de coleta. Para efetuar o levantamento dos indicadores de impacto das trilhas, a princípio utilizou-se uma trena (Figura 7), que foi rejeitada após algumas medições, pela dificuldade do manejo.

 Figura 7- Trena.

 Figura 7- Trena.

Figura 8 – Fio de nylon

Figura 8 – Fio de nylon

Fonte: Fotografias de Márcio Carvalho (2010).

40Foi utilizado um fio de nylon de 50 metros cujo término demarcou o ponto da amostra de coleta de dados (Figura 8). Para medir a distância das trilhas em metros, o uso do GPS não foi eficiente, já que o mesmo apresenta um erro de até 10 (dez) metros. Pedaços de madeira foram fixados nas bordas das trilhas, numerando os pontos para realização posterior da coleta dos dados (Figura 9).

Figura 8 – Demarcação

Figura 8 – Demarcação

Figura 9 – Numeração dos pontos

Figura 9 – Numeração dos pontos

Fonte: Fotografias de Marcio Carvalho (2010).

41Houve dificuldade de apuração da identificação dos pontos numerados (Figura 9), uma vez que as condições atmosféricas contribuíram para que o número da coleta se apagasse e se confundia com a cor da vegetação. Como sugestão propõe-se que para estudos futuros os pontos de coleta poderão ser substituídos por materiais plásticos e coloridos, de fácil visualização.

42Foram obtidos 22 pontos na Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras e na Trilha do Peter apenas 13 pontos, sendo possível percorrer somente 650 metros. Para padronizar a pesquisa, foi realizada a análise dos 13 pontos de cada trilha, com o uso de câmera digital para a documentação fotográfica.

Análise e discussão dos resultados

Os Indicadores de Impactos

43Ao verificar os resultados dos levantamentos registrados nos indicadores de impacto da Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras, no outono, inverno e verão, observou-se que os mesmos são muito parecidos. Em todos os registros, constatou-se a presença de algumas raízes expostas no leito da trilha e a presença de serrapilheira na maioria dos pontos observados. Não foram verificados danos ao ambiente provocados por visitantes, tais como atos de vandalismo, lixo, galhos de árvores quebrados e ausência de vegetação na borda da trilha. Sulcos, canais ou qualquer tipo de processo erosivo se fizeram ausentes nos pontos observados. A largura da trilha não ultrapassou 2 metros (200 cm), estando dentro do recomendável para trilhas abertas à visitação pública.

44A ausência de impactos pode estar relacionada com a forma com que a trilha foi projetada e construída. Implantada em um relevo pouco ondulado, com pequenas diferenças altimétricas, originado de intensos derrames de lavas basálticas, fato que resultou num solo de alta fertilidade, profundo e bem estruturado.Sua vegetação arbórea, composta de florestas, contribuiu para a dificuldade de abertura e alargamento da trilha.

4530-muito

4615-pouco

470- nulo

48Ao confrontar os resultados da Trilha do Peter com os resultados da Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras, verificaram-se mudanças pouco significativas entre elas. A presença de serrapilheira é maior na Trilha do Peter e o que resulta na ausência de raízes expostas. Porém, o que ficou constatado é que a trilha utilizada pelos visitantes, a Trilha Interpretativa das Perobas e das Figueiras, não sofre problemas ocasionados pelo uso e se mantém em boas condições ambientais.

A Conduta Consciente dos Visitantes – “Pega Leve”

49O resultado da enquete aplicada entre os visitantes do Parque Estadual Mata dos Godoy (PEMG), sobre a conduta consciente em ambientes naturais, possibilitou algumas reflexões e considerações.

50Quanto à primeira questão abordada, em relação ao lixo deixado na trilha, princípio número 6 do programa “Pega Leve”, pode-se afirmar, por meio dos resultados apresentados que, 99% dos entrevistados responderam que o lixo deve ser levado de volta, (Gráfico 1). O número expressivo de acertos pode estar relacionado com a ação da mídia na educação do país. O slogan ‘traga seu lixo de volta’ é fortemente vinculado nos meios de comunicação de massa.Outro motivo que pode justificar o grande acerto é o fato de que a maioria dos entrevistados é crianças e hoje nas escolas são desenvolvidos projetos sobre a questão do lixo, da coleta seletiva e da reciclagem, como também a divulgação em unidades de conservação do programa “Pega Leve”.

51A segunda questão selecionada pela enquete foi mais específica e muitas vezes desconhecida da população. É o princípio número 2 do “Pega Leve”: cuidados por onde passar, trilhas e acampamentos.

52Como pode ser observado no Gráfico 1, 89% dos entrevistados responderam que ao passar por uma trilha com lama, deve-se desviar para o lado da poça e continuar a trilha. O correto é atravessar pela poça de lama para não alargar a trilha e danificar a vegetação. Muitos visitantes desviam da trilha empoçada, pois acreditam estar contribuindo para diminuir o impacto. O resultado desta questão é um bom indicativo ambiental para o manejo do parque, em que gerência e seus monitores podem trabalhar de forma mais específica com seus visitantes esta conduta de mínimo impacto.

Gráfico 1 - Comportamento do visitante na trilha.

Gráfico 1 - Comportamento do visitante na trilha.

Fonte: Dados da pesquisa.

53A terceira questão avalia o conhecimento e a prática sobre a fauna local, princípio 4 do “Pega Leve”: respeite animais e plantas. A maioria dos entrevistados (93 %), respondeu de forma correta, ou seja, espera o animal ir embora e continua a trilha (Gráfico 1). Esta questão atesta que o visitante possui um conhecimento específico e não superficial sobre conduta consciente de mínimo impacto. A justificativa pelo acerto da maioria dos visitantes está nas orientações recebidas antes de iniciar a trilha pelos monitores do parque, que abordam sobre o respeito com animais e plantas.

54A quarta questão trata do conhecimento prévio que o visitante deve possuir sobre o local que irá conhecer, é o princípio 1 do “Pega Leve”: planejamento é fundamental.A maioria dos entrevistados (79%), respondeu que buscaria informações sobre o local (Gráfico 2). O resultado desta questão deixa claro o conhecimento prévio dos entrevistados sobre a conduta de mínimo impacto, o que atesta que de alguma forma esses visitantes possuem uma conduta consciente em ambientes naturais.

Gráfico 2 - Comportamento do visitante na trilha

Gráfico 2 - Comportamento do visitante na trilha

Fonte: Dados da pesquisa.

55A quinta e última questão aborda a atitude dos visitantes nas trilhas e contempla os princípios 3, 4 e 8 do “Pega Leve”. Como pode ser observado no Gráfico 2, 81% dos entrevistados evitam levar plantas para casa, conduta correta. O acerto da maioria dos entrevistados nesta questão pode estar relacionado à divulgação em folhetos explicativos e outros meios de comunicação, principalmente os de massa, que utilizam de frases e conceitos de mínimo impacto para sensibilizar os visitantes.

56O Lema do Excursionista, “não tirar nada além de fotos, não deixar nada além de pegadas, não matar nada além do tempo” é muito empregado pelos gerentes de unidades de conservação e escolas, cujo objetivo é colaborar para a formação ambiental dos indivíduos.

57Outro ponto abordado neste tema é o de alimentar os animais; questão que precisa ser mais bem discutida entre os visitantes, escolas e outras organizações civis para que indivíduos evitem alimentar animais silvestres, o que muitas vezes acontece por falta de informação.

58Último ponto da enquete, a prática de ouvir música em aparelhos celulares em trilhas. Apesar de ser um número pouco expressivo, 6% dos entrevistados (Gráfico 2), é imprescindível que haja trabalhos educativos para a valorização dos sons da natureza. Sensibilizar os indivíduos para reconhecer os diversos sons do ambiente pode resultar em qualidade de vida e também em conservação ambiental.

59Por meio dos resultados obtidos pela enquete aplicada aos visitantes do Parque Estadual Mata dos Godoy (PEMG), fica constatado que a educação é capaz de proporcionar mudanças nas atitudes da população em relação à conservação ambiental.

60A maioria dos entrevistados eram estudantes, que possuíam conhecimento prévio sobre a conduta de mínimo impacto em ambientes naturais, o que comprova que a melhoria da qualidade do ensino no Brasil aliada aos programas de educação ambiental de diversas instituições de ensino, ONGs e gerência do parque possibilitam minimizar os impactos decorrentes do uso público nas unidades de conservação. Assim, é possível permitir o acesso do uso público em unidades de conservação, principalmente as trilhas e possibilitar o acesso à educação, lazer e a visitação de qualidade sem comprometer a conservação do ambiente.

Considerações Finais

61Ao avaliar o estado de conservação ambiental da Trilha das Perobas e das Figueiras verificou-se que esta se mantém conservada apesar do uso. A forma como foi projetada aliada ao trabalho de educação ambiental trouxe bons resultados. Não há diferenças ambientais relevantes em comparação com a Trilha do Peter, restrita.

62Os fatores apontados pela presente pesquisa e que possibilitam o atual estado de conservação da Trilha das Perobas e das Figueiras, utilizada pelos visitantes, são: o planejamento e implantação da trilha, o baixo uso da trilha, a educação ambiental dos visitantes e o gerenciamento do Parque.

63O fato de um parque receber visitantes não é o único fator de impactos, há de se verificar outras variáveis, entre elas, a própria construção da trilha, seus condicionantes físicos e ambientais e a educação dos visitantes. Ao aliar o bom planejamento e estrutura da trilha, considerando as condições físicas e ambientais locais, com o comportamento consciente do visitante, torna-se possível integrar conservação ambiental com visitação pública.

64É importante que seja inserido nos programas de uso público dos planos de manejo a conduta consciente do visitante (mínimo impacto), e cabe à gerência fazer do visitante um aliado na conservação ambiental.

Haut de page

Bibliographie

Barros M.I.A., Caracterização da visitação dos visitantes e avaliação dos impactos ecológicos e recreativos do planalto do Parque Nacional do Itatiaia, Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais), Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, 2003.

Brasil, Lei nº 9.985, de 18.07.2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 jul. 2000.

Brasil, A. Milton Dines, Revista Adventure, São Paulo, p. 58, março 2003.

Centro Excursionista Universitário, “Mínimo impacto em ambientes naturais”. <www.pegaleve.org.br>. Acesso em: 11 out. 2010.

 Cunha A.V., “Educação Ambiental”. <www.idéias ambientais.com .pt/educação_ambiental.html>. Acesso em: 11 out. 2010.

Feola E., O uso público em unidades de conservação da natureza: os impactos negativos na trilha noroeste-abrolhos do parque estadual Pico do Marumbi, Morretes-Pr. 2005. Monografia (Bacharel em Geografia) – Departamento de Geografia) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2005.

Hampton B., Cole D.N., “The Case for Minimum Impact”, In B. Hampton, D.N. Cole, Soft Paths: how to enjoy the wilderness without harming it, Harrisburg, Stackpole Books, 173 p., 1988.

Instituto Ambiental do Paraná – IAP, Plano de Manejo do Parque Estadual Mata dos Godoy. Curitiba, 2002.

Leuzinger C., Funções de preservação ambiental e ecoturismo da Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN: supressão por desapropriação, Monografia (Especialização em Ecoturismo), Universidade de Brasília, Brasília. 2003.

Maack R., Geografia Física do Estado do Paraná, Curitiba, Imprensa Oficial, 2002.

Maganhotto R.F., Santos L.J.C., Miara M.A., “Planejamento de trilhas em áreas naturais – estudo de caso sítio da alegria”, Prudentópolis/Guarapuava – Pr. Revista Geografar, Curitiba, v. 4, n. 2, p. 143-163, jul./dez. 2009.

Magro T.C., Impactos do uso público em uma trilha no planalto do Parque Nacional do Itatiaia, Tese (Doutorado), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1999.

Melatti C., Avaliação dos impactos causados pelos visitantes em trilhas: Parque Estadual Mata dos Godoy-Londrina/PR, Dissertação (Mestrado em Geografia Dinâmica Espaço Ambiental) Universidade Estadual de Londrina, Londrina. 2011.

Nols, “Leave No Trace Principles.” <http//www.nols.edu/Int/principies.shtml> Acesso em: 12 out. 2010.

Parkin D., “What is Minimal Impact?”, Project Nature-Ed, Austrália, p. 1-3, 1998. < http://www.projectnatureed.com.au/web%20library/whatsmi.pdf > Acesso em: 10 nov. 2010.

Santos J.A., Trilhas e trilhas interpretativas: um estudo no parque estadual mata dos Godoy- Londrina-PR, Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia), Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Londrina. 2002.

Silveira M., “A vegetação do Parque Estadual Mata dos Godoy”, In J.M.D. Torezan (Org.), Ecologia do Parque Estadual Mata dos Godoy, Londrina: Itedes, 2006. p.19-27.

Vicente R.F., “O Parque Estadual Mata dos Godoy”, InJ.M.D. Torezan (Org.), Ecologia do Parque Estadual Mata dos Godoy. Londrina: Itedes, 2006, p. 13-18.

Haut de page

Notes

1  Foi a partir dessa problemática que se buscou realizar esta pesquisa, como parte da dissertação do Curso de Mestradoem Geografia Análise Dinâmica Ambiental da Universidade Estadual de Londrina. “Avaliação dos impactos causados pelos visitantes em trilhas: Parque Estadual Mata dos Godoy-Londrina/PR”.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Localização do Parque Estadual Mata dos Godoy.
Crédits Fonte: Melatti e Rosolém, 2011.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Figura 2 - Trilhas e trajetos do Parque Estadual Mata dos Godoy
Crédits Fonte: Melatti e Rosolém, 2011
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre Figura 3: Trilhas abertas à visitação pública.
Crédits Fonte: fotografia de Márcio Carvalho (2010)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre Quadro 1- Ficha de Campo de Levantamento de Impacto nas Trilhas
Crédits Fonte: Elaborado pela autora.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Figura 5 – Marcação na trilha
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 816k
Titre Figura 6– Sinalização da trilha
Crédits Fonte: Fotografias de Marcio Carvalho (2010).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre  Figura 7- Trena.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 336k
Titre Figura 8 – Fio de nylon
Crédits Fonte: Fotografias de Márcio Carvalho (2010).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 2,3M
Titre Figura 8 – Demarcação
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Titre Figura 9 – Numeração dos pontos
Crédits Fonte: Fotografias de Marcio Carvalho (2010).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre Gráfico 1 - Comportamento do visitante na trilha.
Crédits Fonte: Dados da pesquisa.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Gráfico 2 - Comportamento do visitante na trilha
Crédits Fonte: Dados da pesquisa.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8901/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 85k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Claudia Melatti et Rosely Sampaio Archela, « Avaliação dos impactos do uso público em trilhas: uma metodologia baseada no estudo de uma trilha interpretativa - Parque Estadual Mata dos Godoy, Paraná », Confins [En ligne], 20 | 2014, mis en ligne le 10 mars 2014, consulté le 29 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/8901 ; DOI : 10.4000/confins.8901

Haut de page

Auteurs

Claudia Melatti

Universidade Estadual de Londrinamelatticlaudia@gmail.com

Rosely Sampaio Archela

Universidade Estadual de Londrinaroarchela@uel.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org