Navigation – Plan du site
Resenhas

Democracia sob suspeição

Guilherme Ribeiro
Référence(s) :

Os inimigos íntimos da democracia, de Tzvetan Todorov. São Paulo, ed. Companhia das Letras, 215p., 2012. Tradução do original em francês: Joana Angélica d’Avila Melo.

Texte intégral

  • 1  Sob o título Cultura e política: lições de análise, vide nossa resenha da obra em questão (RIBEIRO (...)

1Tzvetan Todorov é um dos autores mais criativos e inquietos da cena intelectual atual. Seu mais recente livro publicado em língua portuguesa, Os inimigos íntimos da democracia, simboliza bem a verve crítica e a argumentação heterodoxa já conhecida por nós de outros textos, tal como o belo e corajoso O medo dos bárbaros: para além do choque das civilizações 1 (TODOROV, 2010 [2008]).

  • 2  A propósito dos desdobramentos da criação deste ministério e, de modo amplo, da questão nacional n (...)

2Embora guardem suas diferenças, os dois livros se complementam. Enquanto este pode ser definido como uma crítica político-social sob o ponto de vista da cultura, o mais recente opera com o mesmo tom de crítica, porém agora voltada ao neoliberalismo. A hegemonia desta vertente do pensamento econômico e seus desdobramentos sobre a vida política e as relações sociais representam uma ameaça à democracia. Ela está a perigo não mais por causa do comunismo ou do nazi-fascismo, mas sim em virtude da adesão de uma parcela da sociedade aos “valores” apregoados por partidos políticos populistas, xenófobos, islamófobos, nacionalistas e anti-imigração em países como Suíça, Dinamarca, Países Baixos e França. Em 2009, eles fundaram a Aliança dos Movimentos Nacionais Europeus. Neste mesmo ano, o presidente francês Nicolas Sarkozy cumpre sua promessa de campanha e cria o Ministério da Identidade Nacional... 2

3Búlgaro radicado na França, Todorov explora a riqueza de ter sido criado em um país comunista até os trinta anos e, desde então, viver em uma nação democrática e ciosa de seus valores republicanos. Tais experiências recobrem suas análises de uma aguda suspeição, levando-o a questionar, sob um ângulo bastante original, a democracia contemporânea e, até mesmo, a liberdade de expressão. Para ele, grandes grupos de mídia, que alcançam um contingente enorme de pessoas e, portanto, possuem muita responsabilidade por aquilo que divulgam, devem ter limites ― o que não quer dizer censura, conforme faz questão de ressaltar, embora não esclareça quais seriam tais limites e como eles seriam identificados. Nesse sentido, ele questiona, o fato de Berlusconi ter sido primeiro-ministro da Itália e ser dono de uma cadeia de telecomunicações.

 “Hoje é possível ― se a pessoa tiver muito dinheiro ― comprar uma emissora de tevê, ou cinco, ou dez, mais estações de rádio, mais jornais, e fazer todas essas mídias dizerem o que se deseja, para que, por sua vez, os consumidores, leitores, ouvintes e espectadores pensem o que se espera que eles pensem. (...) O indivíduo poderoso tem toda a possibilidade de impor sua vontade à maioria” (p.144).

4Todo monopólio deve ser desmembrado ― inclusive o dos meios de comunicação. De qualquer forma, o próprio Todorov comenta sua rejeição ao regime comunista búlgaro no tocante à censura de livros e de qualquer outra coisa que se opusesse ao status quo. Ele e, evidentemente, muitos outros, pensavam assim mesmo com o controle dos meios de comunicação nas mãos dos comunistas. O monopólio da informação em Cuba ou na China não impede a formação de vozes de oposição. Além disso, a seguirmos a importante reflexão de Jesús Martin-Barbero, é preciso saber distinguir meio de mediação, assim como reconhecer a natureza comunicativa da cultura, ou seja, “seu caráter de processo produtor de significações e não de mera circulação de informações, no qual o receptor não é um simples decodificador daquilo que o emissor depositou na mensagem, mas também um produtor” (MARTIN-BARBERO, 2003:299 [1987]). De qualquer maneira, cremos que, em uma nação democrática, os excessos da mídia ― eles existem, todos nós sabemos ― devem ser arbitrados pelo Poder Judiciário. Cabe recorrer a ele caso um cidadão, um grupo étnico ou uma minoria se sentirem vilipendiados.

5Outro aspecto relevante a ser separado diz respeito à forma como o neoliberalismo concebe a sociedade, enfatizando a liberdade irrestrita do indivíduo mas, ao mesmo tempo, deixando este mesmo indivíduo à mercê de uma economia de mercado extremamente impiedosa e desigual. Embora tal operação já tenha sido promovida por muitos intelectuais nos anos 1990, Todorov desvela as contradições do neoliberalismo inclusive, do ponto de vista filosófico, conforme sua interpretação das idéias de Friedrich von Hayek (pp.99-102 e 112), identificando-o como responsável pela desagregação da vida social ao negligenciar valores caros como ética e bem-estar coletivos. Trabalhadores são tranformados em máquinas de produzir, indivíduos autômatos e programados para fazer e pensar as coisas apenas de um único modo. O mercado regula tudo, sobrepujando tanto a sociedade quanto o Estado (pp.98-115). Nesse sentido, a perspicácia de Todorov leva-o a aproximar neoliberalismo e comunismo, já que, para eles, “a existência social dos homens depende essencialmente da economia” (p.102). Embora de maneiras diferentes, os dois são radicais e totalitários (p.103): enquanto aquele confere primado ao indivíduo, este sublinha o estatismo supostamente coletivista. Ambos são ameaças à democracia.

 “Essa combinação entre a fé cega nas leis da natureza e a história, com a convicção de que é possível atingir todos os objetivos fixados, é característica do cientificismo, comum aos comunistas e aos neoliberais: uma vez que a ciência pode conhecer tudo, a técnica pode fazer tudo. A remodelagem da sociedade é um problema técnico entre outros” (p.101).

6A esse respeito, é oportuna a crítica ao marxismo e ao comunismo, tanto em termos filosóficos quanto políticos (pp.48-55). Todorov contribui para a construção de uma esquerda que, no século XXI, não precisa ser herdeira do marxismo-comunismo, ao mesmo tempo que não rejeita por completo o mercado ― desde, é claro, que este venha servir à sociedade.

  • 3  “(...) a Europa assumiria cada vez mais o papel do que designo por "potência tranquila", ou seja, (...)

7Caberia ainda grifar o momento em que o autor investe com vigor contra o que denomina de messianismo político, presente em movimentos aparentemente díspares como o comunismo, o imperialismo e a atuação da OTAN e dos Estados Unidos após o fim da Guerra Fria. Todos atuaram em nome do Bem e dispostos a cumprirem uma missão ora civilizatória, ora ideológica ― o que, decerto, é a mesma coisa. Ainda sobre o messianismo político, um ponto importante chamou nossa atenção: ao recusar as intervenções militares nas guerras do Iraque, do Afeganistão e da Líbia (pp.57-77), teria Todorov mudado de opinião em relação a O medo dos bárbaros, quando afirmara que os Estados Unidos e, sobretudo, a União Européia, não deveriam abdicar do poder bélico a fim de garantir a paz na Terra? 3 Se a resposta for positiva, a mudança é muito bem-vinda, além de ser condizente com o profundo humanismo inscrito em seu pensamento.

8Finalmente, Os inimigos íntimos da democracia é um apelo referente ao papel do intelectual e das Ciências Humanas rumo a uma compreensão mais fina dos dilemas da vida social. As idéias nele desenvolvidas são uma intervenção direta e penetrante nos descaminhos assumidos pela Europa e seus governantes. Os motivos que levaram italianos e franceses a elegerem políticos como Silvio Berlusconi e Nicolas Sarkozy explicam o quadro de intolerância a determinadas etnias, religiões e minorias vivido por uma fração das sociedades italiana e francesa.

9Muitas vezes, os intelectuais dialogam tão somente com seus próprios pares ― o que, certamente, não é a estratégia adequada. Em nossos dias, quando a vida social caracteriza-se pelo multiculturalismo, por uma significativa alteração na composição familiar, pelo brutal impacto das redes técnicas nas relações sociais e pela maciça quantidade de informação, não podemos negligenciar nossa responsabilidade perante a sociedade e a vida pública. Cabe a nós assumirmos posição frente a temas polêmicos e que carecem de exame mais apurado. O presente livro é um belo exemplo de como fazê-lo.

Haut de page

Bibliographie

MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ (2003 [1987]). 369p. Tradução: Ronald Polito e Sérgio Alcides.

NOIRIEL, Gérard. À quoi sert l'identité “nationale”. Marseille: Agone, 2007. 154p.  

RIBEIRO, Guilherme. Cultura e política: lições de análise. Resenha de O medo dos bárbaros: para além do choque das civilizações, de Tzvetan Todorov.  Estudos Avançados, 25 (71), 2011, pp.311-314. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142011000100021&script=sci_arttext

TODOROV, Tzvetan. Os inimigos íntimos da democracia. São Paulo: Companhia das Letras (2012). 215p. Tradução: Joana Angélica d’Avila Melo.

TODOROV, Tzvetan. O medo dos bárbaros: para além do choque das civilizações. Petrópolis: Vozes (2010 [2008]). 237p. Tradução: Guilherme João de Freitas Teixeira.

Haut de page

Notes

1  Sob o título Cultura e política: lições de análise, vide nossa resenha da obra em questão (RIBEIRO, 2011).

2  A propósito dos desdobramentos da criação deste ministério e, de modo amplo, da questão nacional na França, consulte a aguda reflexão de Noiriel (NOIRIEL, 2007).  

3  “(...) a Europa assumiria cada vez mais o papel do que designo por "potência tranquila", ou seja, uma potência desprovida de qualquer projeto imperial, sem renunciar, de modo algum, à capacidade de enfrentar o adversário para se defender. Ela deveria dispor de uma força militar porque o mundo nunca será definitivamente pacificado; além disso, tal força deveria estar sob a alçada da própria União Européia, porque seus interesses não coincidem com aqueles que possam ser defendidos por qualquer outra região do planeta. Essa iniciativa por parte tanto dos Estados Unidos quanto da Europa constituiria uma verdadeira contribuição para a consolidação da paz na Terra. (Todorov, 2010 [2008], p.217, grifos nossos).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Guilherme Ribeiro, « Democracia sob suspeição », Confins [En ligne], 20 | 2014, mis en ligne le 16 mars 2014, consulté le 23 septembre 2017. URL : http://confins.revues.org/8979

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org