Navigation – Plan du site

Poluição sonora: estudo de caso do trânsito de veículos na subprefeitura de Pinheiros – São Paulo

Pollution sonore : étude de cas des véhicules dans la subprefeitura de Pinheiros – São Paulo
Noise pollution: study case of traffic on subprefeitura of Pinheiros - São Paulo
Thiago França Shoegima et Alfredo Pereira de Queiroz Filho

Résumés

L'objectif de cet article est de comparer le bruit mesuré de la circulation des voitures dans la Subprefeitura de Pinheiros avec les limites imposées par la loi de zonage urbain de la ville de São Paulo. Trois enquêtes ont été réalisées entre 2010 et 2011, dans 40 points différents de la région, dans la matinée. Il a été constaté que les moyennes de 39 points (97,5%) ont dépassé les limites de bruit du zonage urbain et un seul point (2,5%) a montré une valeur compatible. Le bruit moyen était de 70,7 dBA. Cette valeur dépasse toutes les limites de la carte sonore de la ville. L'analyse de ces résultats indique au moins deux besoins fondamentaux : le déploiement des systèmes de surveillance et de controle de la pollution sonore et la révision des politiques publiques liées au système de transport dans la ville de São Paulo.

Haut de page

Texte intégral

1Os elevados níveis de ruído causados pelo deslocamento de veículos em áreas urbanas se tornaram um relevante problema de saúde pública (WHO, 1999). As pesquisas sobre o tema, no entanto, são realizadas há muitas décadas, por diversos países. De acordo com Meister (1956), primeiras iniciativas para mensurar o ruído de trânsito na Alemanha Ocidental foram realizadas em 1932. Os levantamentos realizados em 1938, 1951, 1952 e 1955 indicaram a sucessiva elevação dos níveis de ruído, com a ocorrência de valores maiores do que 80 decibéis (dBA). Purkis (1963) realizou uma pesquisa em 540 pontos, na área central de Londres, durante 24 horas. Constatou que o ruído do tráfego de veículos foi predominante em 84% dos pontos, isto é, foi o ruído ouvido com mais frequência e que representou os mais altos níveis. Griffiths e Langdon (1968) realizaram medidas das emissões sonoras em quatorze pontos da cidade de Londres e 1200 entrevistas, sobre os ruídos predominantes em cada um destes locais. Visavam desenvolver critérios de aceitabilidade para o ruído do tráfego das estradas, em áreas residenciais, para fomentar as atividades de planejamento urbano.

2Pesquisas mais recentes, como as de Arana e Garcia (1998), mostram que a poluição sonora é um importante problema ambiental em Pamplona. Os níveis sonoros diurnos excederam 65 dBA em 59% dos 185 diferentes pontos da cidade espanhola.

3Segundo Yepes et al. (2009), a poluição sonora do município colombiano de Medelín é muito elevada, pois o ruído excede os limites da legislação em 15 das 17 áreas amostradas. Durante o período diurno, a média de ruído foi de 72 dBA, com predomínio da faixa entre 65 e 80 dBA.

4Zannin et al. (2002) pesquisaram o incômodo causado pelo ruído urbano em Curitiba. Após avaliarem 860 questionários, apuraram que as principais fontes de ruído causadoras de incômodo foram: tráfego de veículos (73%) e vizinhos (38%). As principais reações ao ruído foram: irritabilidade (58%), baixa concentração (42%), insônia (20%) e dores de cabeça (20%).

5Para Sousa et al. (2010), os ruídos medidos em 93,4% dos cruzamentos monitorados da região Central de Maringá (214 em 229 pontos), estavam, em média, 14,9 dBA acima do permitido. O nível médio de ruído na área central foi de 74,4 dBA, ultrapassando em 48,8% o máximo permitido pela legislação.

6Zannin e Santana (2011) apresentaram os resultados de uma avaliação acústica de áreas adjacentes à rodovia federal BR-116, próximas dos limites urbanos de Curitiba. A comparação dos mapas de ruídos com os valores de referência, estabelecidos pela legislação municipal, mostrou a existência de poluição sonora acima de 65 dBA no trecho urbano da rodovia federal, em todos os cenários.

7É nesse contexto que o artigo se insere. Este estudo de caso visa analisar o ruído da circulação de veículos da região da Subprefeitura de Pinheiros e comparar as médias obtidas com os limites do mapa de ruído, gerado a partir do zoneamento do município de São Paulo.

Metodologia

8O levantamento de dados de poluição sonora da Subprefeitura de Pinheiros segue as orientações gerais de Yepes et al (2009), que recomendam observar dois principais componentes: 1) amostragem, que define o número e a localização dos pontos de coleta e 2) medição, que determina o período, método, tempo de cada coleta, o tempo total de coleta e os equipamentos. Considera-se que um mapa acústico é a representação cartográfica da distribuição do nível de ruído em determinada área e período de tempo (SUÁREZ e BARROS, 2014).

Área de estudo

9A Subprefeitura de Pinheiros foi escolhida pela sua diversidade de tipos de uso do solo. Localiza-se na região oeste da cidade de São Paulo (Figura 1) e é composta pelos distritos de Alto de Pinheiros, Jardim Paulista, Pinheiros e Itaim Bibi. Possui uma área de 31,7 km2, população de 289.734 habitantes (2010) e densidade demográfica de 9.140 hab/km2.

Figura 1 - Localização da subprefeitura de Pinheiros no município de São Paulo.

Figura 1 - Localização da subprefeitura de Pinheiros no município de São Paulo.

10A Subprefeitura de Pinheiros, como mostra a figura 2, possui seis principais tipos distintos de uso:

  • ZER-1: zona exclusivamente residencial de densidade demográfica baixa, com número máximo de habitações/m2 igual a 0,0042. Possui coeficiente de aproveitamento mínimo igual a 0,05, básico e máximo iguais 1,0. Caracteriza-se por vias de tráfego leve e local;

  • ZM-1: zona mista de baixas densidades demográfica e construtiva. Admite uso residencial e comercial. Possui coeficientes de aproveitamento mínimo igual a 0,20, básico e máximo iguais a 1,0, ou seja, permite construções de até uma vez a área do lote;

  • ZM-2: zona mista de médias densidades demográfica e construtiva. Admite uso residencial e comercial. Possui coeficiente de aproveitamento mínimo igual a 0,20, básico igual a 1,0 e máximo variando de 1,0 até o limite de 2,0 (permite construções de até duas vezes a área do lote);

  • ZM-3a: zona mista de altas densidades demográfica e construtiva. Possui coeficiente de aproveitamento mínimo igual a 0,20, básico igual a 1,0 e máximo variando de 1,0 até o limite de 2,5;

  • ZM-3b: zona mista de altas densidades demográfica e construtiva. Admite uso residencial e comercial. Possui coeficiente de aproveitamento mínimo igual a 0,20, básico igual a 2,0 e máximo variando de 2,0 até o limite de 2,5 (permite imóveis de área construída até 2,5 vezes maior que a área do terreno);

  • ZPI: zona predominantemente industrial. São áreas destinadas à implantação de usos diversificados, nas quais a preferência é dada aos usos industriais incômodos e às atividades não residenciais incômodas. Possui coeficiente de aproveitamento mínimo igual a 0,10, básico igual a 1,0 e máximo igual a 1,5.

11

Figura 2 - Zoneamento urbano da Subprefeitura de Pinheiros – SP.

Figura 2 - Zoneamento urbano da Subprefeitura de Pinheiros – SP.

12Os limites acústicos da Subprefeitura de Pinheiros, de acordo com o zoneamento do uso do solo, estão divididos em três categorias: até 50 dBA, nas zonas residenciais, de 50 a 65 dBA, nas zonas mistas e até 70 dBA, nas zonas predominantemente industriais (figura 3).

Figura 3 - Zoneamento Acústico da Subprefeitura de Pinheiros – SP.

Figura 3 - Zoneamento Acústico da Subprefeitura de Pinheiros – SP.

Amostragem

13A definição do número de pontos de coleta e a sua localização foi obtida pelo cruzamento de três mapas temáticos. Na primeira etapa, os mapas de zoneamento urbano (figura 2) e limites acústicos do município (figura 3) foram sobrepostos. Essa intersecção de polígonos, realizada em um Sistema de Informações Geográficas, indicou as áreas mais relevantes para a inserção dos pontos de coleta, bem como a sua distribuição espacial.

14Na segunda etapa, essa intersecção dos mapas foi sobreposta às Redes Viárias Estrutural, Coletora e Local do município. Elas representam uma hierarquia viária entre os eixos principais, as vias intermediárias e as de baixo fluxo de veículos. Esse procedimento permitiu: a determinação do número de pontos, a distribuição de pontos por vias de distintas hierarquias e a localização dos pontos sobre as calçadas (passeios) das principais ruas e avenidas de cada polígono. Assim, foram definidos 40 pontos de coleta (um ponto a cada 0,8 km2), como ilustram a tabela 1 e a figura 4.

Tabela 1 - Relação área/número de pontos de coleta.

Limites acústicos

Áreas Km²

Pontos

Média

Área Classe - Até 50 dBA

12,79

18

0,71

Área Classe - 50 a 65 dBA

18,63

21

0,89

Área Classe - 65 a 70 dBA

0,41

1

0,41

Total

31,83

40

0,80

Figura 4 - Localização dos pontos de levantamento de dados na Subprefeitura de Pinheiros – SP.

Figura 4 - Localização dos pontos de levantamento de dados na Subprefeitura de Pinheiros – SP.

15É importante destacar que o processo de escolha dos pontos desta pesquisa difere da amostragem proposta por Yepes et al (2009), cujos pontos foram distribuídos em uma grade regular. Essa modificação foi realizada para representar o maior número possível de tipos de uso do solo urbano e de tipos de vias, dentro dos recursos disponíveis.

Medição

16A coleta dos dados foi realizada conforme a norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, nº 10.151/2000). Os levantamentos ocorreram em três épocas distintas. A primeira fase de coleta foi realizada em 2010, nos meses de abril e maio. A segunda e a terceira ocorreram em 2011, nos meses de março, abril e maio. As medições ocorreram no período entre 07 e 11hs, considerado o horário de pico da manhã. Foram realizadas durante os dias úteis da semana (segunda a sexta-feira), excluídos os feriados e respectivas emendas.

17A Resolução CONAMA nº01/90 define o método de medição e os critérios de aceitação do ruído em comunidades (tabela 02), baseada na NBR 10.151, de 2000, que substituiu a NBR 10.151/1987, da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT.

Tabela 02 - Limites sonoros para ambientes externos em decibéis (dBA).

Fonte: ABNT- NBR: 10.151/2000.

Tipo de Área

Período Diurno

Período Noturno

Áreas de Sítios e Fazendas

40

35

Área estritamente residencial, hospitais, escolas

50

45

Área mista, predominantemente residencial

55

50

Área mista, vocação comercial e administrativa

60

55

Área mista, com vocação recreacional

65

55

Área predominantemente industrial

70

60

18No município de São Paulo, os limites de ruído foram definidos pela Secretaria do Verde e Meio Ambiente (SVMA), através da Lei nº 11.804/95. Em seu artigo 2º, estabelece que os ruídos superiores aos especificados pela NBR 10.151 são prejudiciais à saúde e ao sossego público. Esses limites sonoros foram incorporados, posteriormente, ao zoneamento urbano da cidade (figura 3).

19Os parâmetros adotados para coleta de dados foram:

  • Posicionamento do equipamento: 1,20 m do solo e pelo menos 1,50 m de qualquer superfície refletora (muros, árvores, postes etc.);

  • Medições: feitas na escala de compensação tipo A, em decibel (comumente chamado de dBA) e com respostas de leitura rápida (Fast);

  • Tempo de medição de cada ponto: 10 minutos, com os dados registrados com um intervalo de 1 segundo;

  • O tempo total de medição foi de 30 minutos em cada ponto (três séries de 10 minutos).

20Os equipamentos utilizados foram:

  • Decibelímetro digital marca Instrutherm, modelo DEC-490, com datalogger;

  • Tripé para fixação do decibelímetro;

  • Capa protetora do sensor de ruído (para evitar eventuais influências do vento nas medições);

  • GPS marca Garmin, modelo GPS60, para coleta das coordenadas dos pontos de medições.

Resultados

21Os resultados mostraram que as médias de 39 pontos (97,5%) excederam os limites de emissão sonora do zoneamento do município de São Paulo. Somente a média do ponto 8 (2,5%) apresentou valor compatível com a legislação. A média de todas as emissões sonoras foi de 70,7 dBA. O ponto 13, localizado em área mista, apresentou a média, entre os levantamentos, mais elevada (79,2 dBA). A média mais baixa, de 56,85 dBA, ocorreu no ponto 9, em área residencial (ver figuras 5 e 6).

Figura 5 – Gráfico das emissões sonoras da Subprefeitura de Pinheiros – SP (2010 e 2011).

Figura 5 – Gráfico das emissões sonoras da Subprefeitura de Pinheiros – SP (2010 e 2011).

Figuras 6 – Médias das emissões sonoras da Subprefeitura de Pinheiros – SP (2010 e 2011).

Figuras 6 – Médias das emissões sonoras da Subprefeitura de Pinheiros – SP (2010 e 2011).

22A tabela 3 mostra as médias agrupadas em cinco classes: dentro dos limites, até 5 dBA acima dos limites, de 5,1 a 10 dBA, de 10,1 a 15 dBA e maior que 15 dBA. Nessa tabela, nota-se a predominância de pontos na classe com valores que excedem em mais de 15 dBA os limites. Isso significa que as médias de 16 pontos (40%) ultrapassaram, de maneira crítica, os respectivos limites das zonas urbanas. A segunda classe que mais ocorreu foi a de 5,1 a 10 dBA acima dos limites (15 pontos ou 37,5%), seguidas pelas faixas até 5 dBA (6 pontos ou 15%), a de 10,1 a 15 dBA acima dos limites (2 pontos ou 5%) e a faixa dentro dos limites (1 ponto ou 2,5%).

Tabela 3 - Agrupamento dos resultados em classes de emissões sonoras.

Classes de emissão

Total

% em relação à amostra

Dentro dos limites

01 ponto

2,5%

De 0,1 até 05 dBA acima dos limites

06 pontos

15%

De 5,1 até 10 dBA acima dos limites

15 pontos

37,5%

De 10,1 até 15 dBA acima dos limites

02 pontos

5%

Maior que 15 dBA acima dos limites

16 pontos

40%

Total de Pontos Medidos

40 pontos

100%

23A figura 7 ilustra a distribuição espacial das médias de cada um dos pontos, agrupados pelas referidas cinco classes.

Figura 7 - Distribuição espacial das médias de ruído de acordo com as classes de ruído.

Figura 7 - Distribuição espacial das médias de ruído de acordo com as classes de ruído.

Discussão

24Os dados obtidos foram analisados de acordo com os seguintes critérios: zoneamento, deslocamentos e medidas de controle.

Zoneamento

25O aspecto de maior relevância da pesquisa foi constatar que as médias de ruído foram semelhantes, independentemente do zoneamento. A média geral foi de 70,7 dBA, e as parciais por zonas foram: 69,59 dBA na área residencial (18 pontos), 71,62 dBA na área mista (21 pontos) e 71,44 dBA na área industrial (1 ponto).

26Outra constatação foi a de que as médias não revelaram concentração espacial significativa, mas uma evidente relação com as zonas acústicas (figura 7). A classe crítica, mais elevada, ocorreu de forma distribuída, mas somente em áreas residenciais, cujos limites são mais baixos (até 50 dBA). Foram sete pontos no bairro de Pinheiros (20, 21, 25, 33, 35, 36 e 37), seis pontos em Alto de Pinheiros (1, 2, 3, 4, 5, e 6) e três no Itaim Bibi (11, 28 e 38). Os quinze pontos da classe intermediária, de 5,1 a 10 dBA acima dos limites, também ocorreu de forma bem distribuída, mas somente em zonas mistas, com limites entre 50 e 65 dBA: dez pontos em Pinheiros (14, 15, 16, 17, 18, 19, 24, 26, 31, 34), quatro pontos no Jardim Paulista (22, 23, 30,39) e um no Itaim (9). Dos seis pontos da classe até 5 dBA, o ponto 7 ocorreu no Itaim, em área industrial, três em zonas mistas do Itaim (pontos 12, 27, 32), e dois em Pinheiros (29 e 40). Os dois pontos da classe de 10,1 a 15 dBA ocorreram no Itaim, um em zona residencial (10) e outro em zona mista (13). O ponto 8, único dentro dos limites do zoneamento, ocorreu em zona mista, no bairro do Itaim.

27Ainda que extrapole o objetivo da pesquisa, foi importante refletir sobre o processo de constituição do zoneamento acústico do município de São Paulo. As evidências indicam que esse zoneamento incorporou, sem maiores reflexões, os valores da Resolução CONAMA no. 01/1990, baseada na norma ABNT no. 10.151, de 2000 (tabela 2). Embora seja um marco legal específico, esses tipos previstos na legislação (6 áreas) podem ser considerados muito genéricos diante da complexidade urbana do município de São Paulo (29 tipos de zonas). Sua utilização, sem as devidas ponderações, pode ser pouco apropriada a algumas zonas da cidade, particularmente diante de especificidades, tais como as diferentes densidades demográficas e construtivas das zonas residenciais e mistas (baixas, médias e altas).

28Também é relevante considerar, por outro lado, que uma revisão da lei de Uso do Solo reclassificaria algumas das zonas analisadas, levando em conta seus atuais usos. Essa diferença foi observada durante o trabalho de campo, quando se constatou a ocorrência de algumas atividades incompatíveis com áreas de uso residencial, assim como a atribuição de zonas industriais a áreas próximas às Avenidas Morumbi e Chucri Zaidan, cuja presença predominante é de comércios (shoppings e lojas) e escritórios.

Deslocamentos

29Predominou, na maioria dos pontos levantados, uma elevada circulação de veículos. Mesmo as regiões consideradas de uso residencial apresentaram grande percentual de emissões de ruído decorrentes do trânsito de veículos de pequeno porte (carros e motos).

30Acredita-se que os elevados níveis de poluição sonora nas zonas residenciais estejam relacionados à importância do transporte individual motorizado na cidade. Considerando: a) que a frota paulistana de veículos cresceu 17,26%, de 2008 a 2013, possui 5.345.468 automóveis e apresenta uma relação de 2,11 habitantes por automóvel (OBSERVATÓRIO DO CIDADÃO, 2011) e b) que as zonas residenciais estão praticamente cercadas por zonas de uso misto, caracterizadas pela forte presença de atividades de comércio e serviços; os níveis de ruído das zonas residenciais poderiam ser decorrentes da busca de alternativas, nas vias das áreas residenciais, aos congestionamentos cada vez mais frequentes das vias principais.

31A análise de dados da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) reafirma a relevância do transporte individual motorizado. De acordo com dados da pesquisa Origem e Destino de 2007, os percentuais da média diária de deslocamentos na RMSP são relativamente equilibrados entre os modais: 38,4% transporte coletivo, 30,80% deslocamento a pé e 30,78% transporte individual. No que se refere aos deslocamentos motorizados, nota-se a semelhança entre ônibus e automóveis: 41,27% de ônibus, 40,85% de automóvel, 12,05% de Metrô, 2,70% de trem, 2,44 % de moto, 0,49% de taxi e 0,20% de outras formas (SÃO PAULO, 2008).

Medidas de controle

32Constatou-se que não há medidas governamentais específicas para reduzir as emissões sonoras do tráfego de veículos da cidade. Há duas ações municipais recentes, mas devem ser consideradas indiretas, pois visam basicamente controlar a poluição atmosférica, com o sistema de inspeção veicular, e reduzir o trânsito, com o aumento da restrição de circulação de caminhões.

33Com a implantação progressiva a partir de 2008, o programa de inspeção ambiental veicular (CONTROLAR) tornou obrigatória a vistoria anual de todos os veículos registrados no município de São Paulo. Embora não houvesse fiscalização do ruído, de 2009 a 2011, entende-se que o rigor da vistoria da emissão de gases contribuiu para reduzir a circulação dos veículos mecanicamente deteriorados, potenciais emissores de ruído. A partir do início do ano de 2012, a inspeção de emissões de ruído foi efetivada, mas é realizada de forma aleatória, uma vez que os veículos são “sorteados” pelo sistema.

34No início de 2011, a prefeitura ampliou a restrição de circulação de caminhões na cidade de São Paulo. A Zona de Máxima Restrição de Circulação (ZMRC) foi aumentada de 25 para 100 km. Nesta zona, na qual se insere a área de estudo, os caminhões não podem trafegar de segunda a sexta-feira, das 5h às 21h, e aos sábados, das 10h às 14h. Os pequenos caminhões, denominados Veículos Urbanos de Carga (VUCs), estão liberados da restrição, desde que devidamente cadastrados.

35Dentro desse cenário, acredita-se que uma das opções governamentais seria o incentivo à produção e uso de veículos elétricos. Seu potencial cresce diante das dificuldades em propor modificações radicais no sistema de transporte urbano da cidade, da importância do transporte individual (automóvel), da impopularidade do aumento de restrição de circulação de veículos leves (já existe rodízio semanal de veículos, de 07 às 10h e 17 às 20h, de acordo com o número final da placa) e da resistência à criação de tarifas para a circulação, em determinadas áreas da cidade (pedágio urbano).

36Os motores elétricos não poluem a atmosfera e são silenciosos. São ainda mais valorizados em países como o Brasil, que possui grande percentual de geração de energia elétrica proveniente dos recursos hídricos, cujo potencial poluidor é incomparávelmente menor do que o das usinas térmicas e nucleares.

37Ainda que em fase embrionária, Dijk et al. (2013) consideram que a mobilidade elétrica ultrapassou um limiar crítico e sua influência deve crescer de importância. Sua viabilidade depende da política de abastecimento, das mudanças no mercado de automóveis, da evolução do preço da energia, das políticas ambientais e das mudanças no setor elétrico. Mesmo assim, os autores acreditam no potencial decorrente da interação das alternativas tecnológicas, que certamente influenciarão o futuro dos veículos elétricos à bateria, dos veículos elétricos híbridos e dos veículos movidos por células de combustível de hidrogênio.

Considerações finais

38Os resultados deste estudo de caso evidenciaram um panorama de elevados níveis de poluição sonora.

39Constatou-se que o patamar das emissões sonoras paulistanas (70,7 dBA) se assemelha aos obtidos por Arana e Garcia (1998), em Pamplona, e por Zannin e Santana (2011), em Curitiba (> 65dBA). No entanto, a média foi um pouco menor do que a obtida por Yepes et al (2009), em Medelin (72 dBA), e por Sousa et al (2010), em Maringá (74,4 dBA).

40Como não há registro de medidas governamentais específicas para reduzir a emissão de ruído dos veículos e considerando que as ações indiretas não foram suficientes para tornar as médias compatíveis com a desejável qualidade de vida para a população, acredita-se ser imprescindível adotar medidas para o monitoramento e o controle da poluição sonora, assim como refletir sobre as políticas públicas relacionadas ao sistema de transportes no município de São Paulo .

Haut de page

Bibliographie

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR-10.151: Avaliação do ruído em áreas habitadas visando o conforto da comunidade. Rio de Janeiro, 2000.

ARANA, M.; GARCIA, A. A social survey on the effects on environmental noise on the residents of Pamplona, Spain. Applied Acoustics, v.53, n.4, p.245-53, 1998.

DIJK, M.; ORSATO, R. J.; KEMP, R. The emergence of an electric mobility trajectory. Energy Policy, v. 52, p. 135–145, 2013.

GRIFFITHS, I. D.; LANGDON, F. J. Subjetive response to road traffic noise. Journal of Sound and Vibration. v. 8, n.1. p.16-32, 1968.

MEISTER, F. J. Traffic noise in West Germany. Evaluation of noise levels, and experience in noise control. Journal Of The Acoustical Society Of America. v. 28, p. 783, 1956.

OBSERVATÓRIO DO CIDADÃO. Séries históricas. Transportes e mobilidade urbana. 2011. Disponível em: < http://www.nossasaopaulo.org.br/observatorio/regioes.php?regiao=33&tema=13&indicador=118 > Acesso em: 03 mai 2013.

PURKIS, H. J. Transport noise and town planning. Journal of Sound and Vibration. v. 1, no. 3, p.323-334, 1964.

SÃO PAULO, Secretaria dos Transportes Metropolitanos. Pesquisa Origem e Destino 2007: Região Metropolitana de São Paulo. 2008. Disponível em: <http://www.metro.sp.gov.br/metro/arquivos/OD2007/sintese_od2007.pdf>. Acesso em: 05 ago 2013.

SOUSA, L. H. C.; ZANQUETA, G. J. B; JOHNSTON, G. H; NASCIMENTO, M. A. Avaliação de ruído na região central de Maringá e Universidade Estadual de Maringá. Revista Acta Scientiarium Technology, Maringá, v. 32, n. 01, p.49-54, 2010.

SUÁREZ, E.; BARROS, J.L. Trafc noise mapping of the city of Santiago de Chile. Science of the Total Environment. 466-467, p. 539-546, 2014.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION Guidelines for community noise. 1999. Disponível em: http://apps.who.int/iris/handle/10665/66217 Acesso em 12 mar. 2014.

YEPES, D. L.; GÓMEZ, M.; SÁNCHEZ, L.; JARAMILLO, A. C. Metodología de elaboración de mapas acústicos como herramienta de gestión del ruido urbano - Caso medellín. Dyna. Medellin, v.76, n.158, pp. 29-40, 2009.

ZANNIN, P. H. T.; SANTANA, D. Q. Noise mapping at different stages of a freeway redevelopment project – A case study in Brazil. Applied Acoustics, n.72, p.479–486, 2011.

ZANNIN, P. H. T; CALIXTO, A.; DINIZ, F. B.; FERREIRA, J. A.; SCHULI, R. B. Incômodo causado pelo ruído urbano à população de Curitiba - PR. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.36, n.4, p.521-524, 2002.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Localização da subprefeitura de Pinheiros no município de São Paulo.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9067/img-1.png
Fichier image/png, 87k
Titre Figura 2 - Zoneamento urbano da Subprefeitura de Pinheiros – SP.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9067/img-2.png
Fichier image/png, 349k
Titre Figura 3 - Zoneamento Acústico da Subprefeitura de Pinheiros – SP.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9067/img-3.png
Fichier image/png, 316k
Titre Figura 4 - Localização dos pontos de levantamento de dados na Subprefeitura de Pinheiros – SP.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9067/img-4.png
Fichier image/png, 328k
Titre Figura 5 – Gráfico das emissões sonoras da Subprefeitura de Pinheiros – SP (2010 e 2011).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9067/img-5.png
Fichier image/png, 19k
Titre Figuras 6 – Médias das emissões sonoras da Subprefeitura de Pinheiros – SP (2010 e 2011).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9067/img-6.png
Fichier image/png, 613k
Titre Figura 7 - Distribuição espacial das médias de ruído de acordo com as classes de ruído.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9067/img-7.png
Fichier image/png, 747k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Thiago França Shoegima et Alfredo Pereira de Queiroz Filho, « Poluição sonora: estudo de caso do trânsito de veículos na subprefeitura de Pinheiros – São Paulo », Confins [En ligne], 21 | 2014, mis en ligne le 12 octobre 2014, consulté le 21 septembre 2017. URL : http://confins.revues.org/9067 ; DOI : 10.4000/confins.9067

Haut de page

Auteurs

Thiago França Shoegima

Universidade de São Paulo-USP, thiago_shoegima@yahoo.com.br

Alfredo Pereira de Queiroz Filho

Universidade de São Paulo – USP, aqueiroz@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org