Navigation – Plan du site

Espaços e relações de poder em Chapecó/SC na década de 1950.

Les espaces et les relations de pouvoir dans Chapecó / SC dans les années 1950. Une interprétation géographique du "lynchage"
Spaces and power relations in Chapecó / SC in the 1950s. A geographical interpretation of the "lynching"
Cristina de Moraes

Résumés

Cette étude vise à analyser la manière dont a été construite la valorisation de certains espaces par les relations de pouvoir établies au fil du temps, ainsi que l'utilisation de ces mêmes espaces comme signifiants et émetteurs de valeurs qui guident l'action sociale. Le point principal de l'analyse est de comprendre cette idée à partir d'un lynchage à Chapecó / SC en 1950. À partir de la contextualisation géographique et historique il est possible de voir comment un type particulier de formation et les relations socio-spatiales déjà mentionnées étaient des embryons de relations de pouvoir qui peu à peu ont pris racine dans la région, en influençant la création des idéologies qui ont gagné matérialité en se répandant. Depuis la création des colonies de migrants au milieu du XXe siècle, de nouveaux acteurs sont apparus, qui ont été insérées dans les relations de pouvoir établies préalablement, avec un processus de réarticulation entre les anciens et nouveaux pour maintenir l'ordre déjà établi. Plus tard, avec la consolidation de ces colonies de migration Chapecó est devenue un pôle d'attraction, ce qui entraîne la venue de nouveaux migrants. L'insertion de ces nouveaux acteurs dans la nouvelle situation politique, qui autorise la créations de multiples partis, mène à la création d'un parti politique lié aux activités professionnelles des zones urbaines et libérale, ce qui représente une rupture avec les groupes traditionnels de pouvoir, et l'opposition a obtenu un réelle expressivité lorsque ceux-ci ont perdu les élections municipales en Octobre 1950. En parallèle, plusieurs incendies, dont celui de l'église, ont eu un grand impact sur la société locale, parce que la population voyait dans la religion une de ses valeurs fondamentales et un élément de l'identité locale, qui serait ainsi méprisés. L'incendie de l'église a été utilisé pour impliquer un membre du parti urbano-libéral dans ce crime, dans le but d'intimider les électeurs non insérés dans les rapports de force traditionnels, et les suspects ont été arrêtés et ensuite lynchés. À l'occasion de ce lynchage il est possible de voir que des lieux très importants pour la société locale ont été utilisés stratégiquement permettant de renforcer les valeurs sociales traditionnelles car la force de ces espaces émetteurs de valeurs a été soulignée par les groupes locaux. On voit ainsi que les lieux ne sont pas seulement une condition d'existence, ils sont aussi une construction sociale, chargée de sens, de valeurs visant à inculquer des idées et à guider des comportements.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

relations de pouvoir, espace, lynchage.

Index by keywords :

power relations, space, lynching.

Index géographique :

Chapecó (SC)
Haut de page

Texte intégral

Uma velha lenda peruana fala de uma cidade onde todos eram felizes.

Seus habitantes faziam o que desejavam e se entendiam bem – menos o prefeito,

que vivia triste porque não conseguia governar nada.

A prisão estava vazia, o tribunal nunca era usado,

e o tabelionato não dava lucro, porque a palavra valia mais do que o papel.

Um dia, o prefeito mandou vir operários de longe,

que fecharam com tapume o centro da praça principal;

ouviram-se martelos batendo, e serras cortando madeira

No final de uma semana, o prefeito convidou a todos da cidade

para a inauguração. Com solenidade,

os tapumes foram retirados, e apareceu...

uma forca.

As pessoas começaram a se perguntar o que

aquela forca estava fazendo ali. Com medo,

passaram a procurar a justiça para qualquer

coisa que antes era resolvida de comum acordo.

Recorriam ao tabelião para registrar documentos

que antes eram substituídos pela palavra.

E voltaram a escutar o prefeito, com medo da lei.

A lenda diz que a força nunca foi usada,

  • 1 A epígrafe (longa, mas sugestiva) é posta com o propósito de perturbar a quietude quanto a força qu (...)

mas bastou sua presença para mudar tudo1.

1Ao abordarmos sobre a utilização de determinados espaços nas relações de poder, faz-se necessário apresentar algumas premissas empregadas neste trabalho. Acreditamos que os significados atribuídos à determinados espaços são construídos historicamente num processo que diferentes dimensões da vida social estão imbricados e que possuem como denominador comum, a forma como o homem se apropria do espaço, sua valorização. A interpretação deste processo de valorização do espaço exigiu obviamente compreender as relações sociais que predicam/adjetivam o processo, o que é contemplado no item 01. Na busca de conceitos que qualificam a explicação/interpretação do empírico indagou-se em como mencionar grupos sociais cujas práticas podem se caracterizar por diferentes matizes? Acredita-se que a distinção correta exige um estudo minucioso das peculiaridades socioespaciais da área de estudo para determinar com maior precisão o termo adequado, o que extrapola o presente trabalho. Chamamo-los então de grupos locais tradicionais, cuja caracterização surge a partir de como os identificamos na estrutura social, dado que sua distinção em relação ao todo, ocorreu ao longo do tempo (por isto, tradicionais) construindo relações de poder com os outros grupos sociais.

2É oportuno destacar que o tempo/espaço em estudo estava caracterizado pela consolidação de colônia de imigração, com crescimento demográfico e econômico, atraindo também novos migrantes, o que favoreceu a emergência de novos atores sociais que não estavam vinculados com os grupos locais tradicionais. É neste contexto que ocorre um linchamento de indivíduos ligados aos partidos liberais (opostos ao partido ligado ao grupo local tradicional) que atuava no município de Chapecó na década de 1950. O contexto era marcado pela disputa de poderes locais, um conflito que também apresentava implicitamente interesse políticos a serem mantidos, característica que Martins (1994) define como peculiaridade da história brasileira. Uma ordem sócio-política e econômica a ser conservada para dar prosseguimento ao usufruto de benefícios que referida organização social possibilita a determinados grupos locais.

3Com o intuito de melhor entendimento, no primeiro item é abordada a formação do Oeste catarinense, buscando uma caracterização para compreensão do contexto de acontecimento do linchamento. No segundo item é inserido interpretação do evento com fundamentação teórica, visando a compreensão da articulação dos significados dos espaços utilizados com o desencadeamento do linchamento, considerando as relações de poder existentes.

A formação socioespacial do contexto do linchamento

4A formação territorial do Brasil ocorreu a partir da apropriação espacial, cujo elemento de causação repousa sobre um espaço a ser conquistado (MORAES, 2000). A articulação de interesses econômicos e políticos são elementos que consubstanciam esse processo, atribuindo novas funcionalidades e configurações às características precedentes dos espaços. Duas formas de apropriação espacial efetuadas pelas ações lusitanas são importantes para compreensão que aqui se propõe; primeiramente a doação de terras pelo sistema sesmarial e a implantação da pecuária extensiva nos campos meridionais.

  • 2 Informações sobre os tributos cobrados pelo uso da terra, bem como sobre a evolução desses tributos (...)
  • 3 Esses enlaces, de acordo com Fernandes (1981), possibilitaram a produção contínua de riquezas no Br (...)

5A conquista do Novo Mundo conferiu às coroas ibéricas, de acordo com as decisões clericais, o domínio das terras e riquezas nelas encontradas, portanto, a terra pertencia ao rei por direito de conquista. Todavia para facilitar a ocupação (e soberania) transferia à particulares para que efetuassem uso efetivo.2 Essa concessão caracteriza(ou) significativamente o processo de organização social brasileira colonial e possibilitava além da produção de produtos tropicais para comercialização, o processo de legitimação da soberania lusitana no continente americano. Diferentemente das terras cabíveis à soberania hispânica, a parte oriental do Meridiano de Tordesilhas, configurava-se com uma população em ocupações dispersas, fortemente vinculadas com as determinações do ambiente natural, inexistindo riquezas minerais que poderiam ser facilmente apropriadas. Deste modo, desenvolveu-se um processo de construção de um espaço voltado às necessidades lusitanas, possibilitando equalizar os investimentos efetuados, sem, contudo representar uma ameaça à soberania portuguesa nessas terras devido aos enlaces estabelecidos entre colônia e metrópole3. É nesse contexto que a doação de terras por sesmarias se insere e se enraíza, sustentando toda uma tipicidade de relações sociais brasileiras ulteriores.

6A doação de terras por sesmarias consistia em um direito de uso, sem, contudo, ser transmitido à pessoa o direito de propriedade sobre este bem. Ao recebedor cabia a incumbência de fazê-la produtiva, ou seja, gerar produtos comercializáveis junto ao comércio mundial. Do oposto, a coroa possuía o direito de tomá-la novamente para si, designando à outrem que tornasse fato os anseios da realeza lusitana. Essa relação estabelecida entre coroa e donatário, atribuía ao último prestigio social junto às comunidades locais, pois também correspondia, à um agente de contato com o governo, bem como recebia deste último, determinados cargos públicos a serem desempenhados nos vilarejos que se constituíam. Trata-se da constituição de condições para relações de mandonismo, que ao longo da história brasileira, vão assumindo outras denominações e faces, mas que preservam o conservadorismo das relações sociais e políticas neste país.

7A porção meridional do país foi apropriada tardiamente em relação à costa sudeste e nordestina, apresentando elementos de aprimoramento no processo de apropriação e legitimação de soberania. Essa região, estopim de desentendimento entre as coroas ibéricas em virtude da proximidade do estuário platino, foi apropriada pela coroa portuguesa também utilizando as incursões vicentinas que alastraram as fronteiras lusitanas para além da demarcação papal, exigindo que fossem tomadas medidas para apropriação efetiva dessas terras.

8O sistema sesmarial também foi utilizado para povoamento do Brasil meridional, cuja localização estratégica, implicou também na concessão de títulos de terra, que logo transmitia ao donatário a propriedade sobre a estrutura fundiária, mostrando-se mais vantajosa a empresa de ocupação e produção de gêneros alimentícios, pois passa a conferir a condição perpetua da posse de terras, podendo ser herdada pelos descentes.

9Assim como a maioria dos campos meridionais, os campos de Palmas e Campos de Erê também se inseriram nessas estratégias de apropriação espacial. Como primeira medida de ocupação desses campos, a implantação de duas colônias militares (Chapecó e Chopim - 1859) formalizou o inicio do processo de povoamento, todavia, essa região já era habitada tanto por índios (kaigangs e xoclens) e bem como por caboclos ervateiros. Essa política visava intensificar a presença humana na região, fortalecendo a soberania lusitana perante a coroa espanhola. A concessão de títulos de terras, evento paralelo à implantação das duas colônias militares, possibilitou o desenvolvimento desta atividade também nestes campos, inserindo novas relações sociais que igualmente, atribuíam novas características à organização espacial, mediante uma nova lógica de estruturação.

  • 4 Esses campos correspondem à atual região Oeste catarinense.
  • 5 Martins em “O cativeiro da Terra”, aborda como essa relação é desvirtuada mediante a cobrança de re (...)

10Além dos pecuaristas, a população nos Campos de Palmas e Campos de Erê4 também foi caracterizada pela presença dos caboclos, segmento social mais empobrecido que dividia sua atividade econômica entre a exploração da erva-mate e a prestação de serviços junto às fazendas de gado. Em muitos casos, moravam em pequena porção de terra concedida pelo fazendeiro, ao qual, além de prestarem os serviços, forneciam-lhe gêneros alimentícios, em troca da posse da terra. Esse é o contexto no qual também surgem as relações de compadrio nessa região. Os proprietários de terras passam a serem concebidos como importantes figuras sociais, intermediando o contato com o governo, além da exploração e sobreposição que exerciam sobre essa população posseira, pela suposta bondade na concessão de uso da terra para moradia.5

11A partir deste contexto socioespacial é que esses pecuaristas vão conformando um segmento social a parte da sociedade, que passam a correspondem a estrutura de acesso e contato com o sistema político, tanto local como acima deste. A inexistência de outros grupos sociais que exercessem semelhante força política na sociedade possibilitou a este segmento de pecuaristas tornaram-se grupos locais tradicionais de poder, situando-se como elite.

12Ressalta-se que a diferença social é apresentada como um fator explicativo das relações de clientelismo que se configuraram nesse espaço, e que de certa forma influenciaram nos processos sociais subseqüentes. Esse contexto pode ser tomado como gênese das relações de poder que emergem na região Oeste catarinense, que a partir do processo de colonização foram reconfiguradas com os novos atores que passam a atuar na esfera local, inclusive a geração de conflitos.

13Região formada por um mosaico entre campos e floresta de araucária, a extração de madeira consistiu em uma atividade que também caracterizou o Oeste catarinense, sendo igualmente desenvolvida pelos grupos locais tradicionais. Esse é o contexto registrado nos Campos de Palmas e Erê no início do século XX, que em meados da década de 1920, passa a comportar uma segunda medida governamental para povoamento da região, dada baixa demografia que ainda caracterizava-a, fazendo com que esta região fosse interpretada como um espaço de letargia e isolado das demais regiões.

14É importante considerar que cada forma de ocupação do espaço cria suas próprias características e aquilo que era visto como isolamento regional, pode ser interpretado como o fato de o espaço não ter os predicativos que os governantes e elites locais desejarem, pois tanto pela comercialização da madeira, como da erva-mate (feita sobretudo pelos caboclos, segmento social marginalizado) contradizem a visão de espaço isolado. O que perturbava mesmo era saber que a ocupação era feita predominantemente por um segmento social pobre e que não dedicava sua produção exclusivamente para o mercado, o que não era condizente com as noções de “progresso” e “modernidade” que se disseminavam pelo país.

15Destinada a romper o esta ocupação voltada a subsistência, foi impulsionado o segundo processo de povoamento, mediante à concessão das terras devolutas à empresas colonizadoras para que efetuassem a comercialização das mesmas. À medida que as colônias se desenvolviam, eram instaladas algumas instituições (como escolas, igrejas, salões comunitários, delegacia) cuja doação de terreno para construção das mesmas era predominantemente efetuada por membros dos grupos locais tradicionais, aumentando-lhe a esfera de interferência social, em virtude da disponibilidade na concessão do bem particular para o bem público. Essa prática retribuía-lhe uma visão positiva junto à comunidade, que passava então a usufruir dos bens mínimos necessários para as práticas sociais, e, sobretudo, disponibilizavam de um lugar adequado para o exercício da fé, pois, conforme a colonização se desenvolvia, caracterizava-se como uma região com forte catolicismo. Trata-se em verdade, da articulação das relações de poder às mudanças sociais. São velhas relações de poder que eram reajustadas a cada contexto para preservar o que lhe é mais essencial: o poder.

16Impunha-se igualmente, nesse processo povoador a inserção da modernidade, num procedimento que exigiu a adequação do espaço social e natural à sintonia da produção capitalista (e moderna, quando contraposta ao sistema colonial-escravista de produção) nas concepções que sublinhavam tal modernização. Assim, o processo de colonização e modernização das produções ocorreu quase que concomitantemente, evidenciando, após algum tempo, a consolidação das colônias de povoamento, bem como a presença de industriais (Espíndola, 1999), que fomentaram diversificação das produções, igualmente o desenvolvimento do setor terciário, intensificando a presença de pessoas que não eram ligadas aos poderes locais tradicionais.

  • 6 A influência desta ideia de destino já posto, no caso aqui a vocação agrícola, será mais bem trabal (...)
  • 7 Caracteriza-se pela inserção deste espaço as relações capitalistas através a comercialização da pro (...)

17Ressalta-se que o país também passava por momentos de mudanças no cenário político, favorecendo o surgimento de novos partidos vinculados com novos segmentos sociais que ascendiam socialmente. Também no cenário nacional era presente a busca pela modernização dos espaços, construindo valores que atingiu tanto as manifestações ideológicas e científicas, influenciando em políticas públicas, bem como eram apropriadas nos discursos locais para favorecimento de segmentos sociais específicos. Como destaca Furtado (1977), existia uma crença que o atraso do país estava nas rudimentares práticas agrícolas e organização social desenvolvida pelos caboclos, cuja potencialidade de um país com vocação agrícola6 seria desvirtualizada pelos migrantes descendentes de europeus. Essa perspectiva acentuava a importância da forma de organização baseada na propriedade e práticas mercantis, que pertenciam às condutas dos grupos locais tradicionais que fomentou sua própria produção7, no entanto, continuou baseada em arcaicas relações sociais para elevar a apropriação de renda.

18Em meados do século XX, as primeiras colônias de povoamento apresentavam significativas mudanças quanto à organização socioespacial, econômico e político. Tal situação não era diferente para a colônia de Chapecó, que já destacava-se das demais devido seu contingente populacional e dinamicidade econômica, favorecendo o surgimento dos profissionais liberais, que migravam em busca de novas oportunidades, diversificando os atores sociais

19Tal diversidade era vista com negatividade pelos grupos locais tradicionais, pois estes novos elementos não se inseriam nas relações de domínio, consistindo em condições adversas ao mandonismo local. É interessante ressaltar que as relações de mandonismo não são unidimensionais, mas concretizam-se em relações estabelecidas nas diferentes dimensões de uma sociedade, abrangendo esferas política, econômica, social e cultural. Para Hass (2003), estes novos atores, representavam a ascensão do multipartidarismo que marcava o contexto nacional, colocando em conflito interesses antagônicos que materializavam nas eleições municipais.

20É neste contexto de mudanças e conflitos que o “linchamento” ocorreu, correspondendo ao desencadeamento de uma série de antagonismos que se verificava na comunidade chapecoense. A figura 01 mostra a localização do atual município de Chapecó no estado de Santa Catarina.

Figura 01 – Localização atual do município de Chapecó no estado de Santa Catarina.

Figura 01 – Localização atual do município de Chapecó no estado de Santa Catarina.

Fonte: IBGE; Org: Moraes, C.

21Para melhor compreensão, algumas informações pontuais são pertinentes. Primeiramente, desde 1946, a oligarquia agrária/madeireira havia perdido o governo municipal para partido dos liberais /urbanos, materializando os conflitos entre atores sociais. Todavia, a troca de delegado (cargo determinado pelo executivo) não fora permitida pelo governo do Estado, sendo aquele ainda vinculado com os grupos locais tradicionais. O segundo ponto refere-se às características de forte catolicismo e índices de violência que marcavam a região. E o terceiro, sobre a grande ocorrência de incêndios na cidade de Chapecó na década de 1950. Predominantemente residenciais, porém três incêndios merecem destaque devido a articulação com o linchamento, sendo eles: Clube Recreativo Chapecoense, Igreja Católica e uma serraria local. .

22O primeiro incêndio ocorreu durante a última noite de carnaval e a possibilidade de acidente foi aceita pela comunidade. O segundo, ocorrido num pequeno intervalo de tempo em relação ao primeiro, acabou por provocar grande revolta na população, sobretudo pela forte religiosidade que caracterizava a região. Destaca-se ainda, que o pároco, figurava de importante prestígio social e vinculado com grupos tradicionais, mantinha como constante o discurso da necessidade de realizar justiça pelo crime à casa de deus. A figura 02, mostra a cidade de Chapecó na década de 1950, sendo que é possível visualizar a igreja na parte superior da imagem.

Figura 02 – Vista área da cidade de Chapecó na década de 1950.

Figura 02 – Vista área da cidade de Chapecó na década de 1950.

Fonte: Ceom, 2014.

  • 8 Esta informação é importante, porque causou revolta aos migrantes que tiveram os frutos de seu trab (...)

23A partir de investigações locais do terceiro incêndio, dois indivíduos (Ruani e Paim) foram identificados como suspeitos, ambos procedentes do município de Barril (atual Frederico Westphalén/RS), eram conterrâneos de Orlando Lima, sujeito pertencente ao partido urbano/liberal. Adiciona-se que estes três sujeitos residiam no mesmo hotel em Chapecó, e que referida condição passou a ser argumento para envolver Lima nos crimes, colocando-o também em cárcere. O desenrolar dos fatos é caracterizado por uma série de negligencia e abuso de poder por parte do delegado local, exemplificado pela abstenção diante do depoimento de Ruani e Paim do não envolvimento de Lima nos incêndios, bem como o objetivo dos incêndios: saquear as casas enquanto as pessoas tentavam apagar o fogo8. O irmão deste último, de conhecimento dos fatos, deslocou-se à Chapecó, todavia, recebeu o mesmo tratamento de Lima.

24Paralelamente, o pároco consubstanciava em seu discurso a necessidade de vingança, invocando a população a desenvolver atitudes ante a factualidade. No dia 17 de outubro de 1950, sob convite do pároco, delegado e outras autoridades locais, muitos agricultores e trabalhadores locais urbanos compareceram a uma reunião marcada para as 23:00 horas no pavilhão comunitário, visando resolver a contenda. A importância do grande número de pessoas presentes foi utilizada constantemente pelos referidos atores sociais para que a vingança fosse caracterizada como linchamento, desqualificando-o de crime (inclusive premeditado), correspondendo então à uma ação popular e improvisada.

  • 9 Detalhes sobre o transcorrer dos fatos (como depoimentos, torturas, ausência de segurança aos cárce (...)

25Na mesma noite, a partir de golpes de arma branca e de fogo, os quatro indivíduos foram mortos, tendo posteriormente seus corpos empilhados e incinerados na delegacia, sendo expostos na frente da mesma.9 Posterior ao fato, a abertura de inquérito contou com o afastamento do delegado e intervenção da justiça estadual no processo, que desconsiderou o ocorrido como linchamento devido ao fato que a delegacia não comportava mais que 15 pessoas em suas dependências. Ainda, a partir de investigações locais, desconsiderou o ato como livre manifestação popular ao identificar indícios de organização e premeditação dos fatos. Uma última particularidade interessante é que da listagem elaborada pela justiça estadual das possíveis pessoas envolvidas, apenas duas não pertenciam à religião católica, denotando grande envolvimento de autoridades vinculadas com esta religião na consecução dos fatos e poder de influência no público. É possível visualizar na figura 03, a localização dos espaços e o percurso efetuado pelos manifestantes.

Figura 03 – Croqui identificando espaços e parte do movimento efetuado pelos manifestantes.

Figura 03 – Croqui identificando espaços e parte do movimento efetuado pelos manifestantes.

Fonte: Hass. Org: Moraes, C.

Figura 04 – Moradores de Chapecó observando os corpos queimados e expostos.

Figura 04 – Moradores de Chapecó observando os corpos queimados e expostos.

Fonte: Hass, 2013.

26A partir da apresentação dos fatos e de algumas características presentes na organização social do Oeste catarinense, desenvolver-se-á no item seguinte discussão sobre a construção de significados e valores de determinados espaços a partir das peculiaridades anteriormente esboçadas e como elas foram utilizadas pela oligarquia tradicional no referido fato.

Busca de uma compreensão

27Neste trabalho busca-se elaborar uma hipótese interpretativa do papel que determinados espaços possuem no desenvolvimento da vida social, sendo considerados como frutos de relações sociais que desenvolvem na tessitura social ao longo do tempo, portanto, sendo uma face de uma sociedade, pois impregnam uma paisagem de símbolos e significados, influenciando na vida social.

28Esses espaços, além de sua tradicional funcionalidade, possuem significados políticos que são evocados com maior nitidez em momentos de conflitos entre grupos sociais antagônicos. E podem ser utilizados como textos comunicativos, manifestando idéias, poderes e insultando ações e emissão de juízos de valores (Correa, 2005). Períodos que são caracterizados por profundas mudanças exigem maiores práticas de estabilização de antigos valores, ou adequação dos mesmos sem destituir seus praticantes dos tradicionais benefícios, acirrando conflitos existentes, como pode ser observado na contextualização temporo-espacial do linchamento.

29A localização de fácil acesso de monumentos históricos, ou de algumas instituições importantes e atuantes na vida comunitária (como igrejas) além de exporem materialmente seus valores, visam demonstrar o poder (que tal instituição) que desfrutam em algumas comunidades. Facilmente entram em contato com a população, quando não lhe fazem parte de suas vidas cotidianamente (como a Igreja e a praça), portanto, são meios de comunicação muitos próximos da massa popular, sendo contínuos espaços de interação com a sociedade, foram utilizados no fato acima para afirmar tradicionais relações de poder.

  • 10 Algumas empresas colonizadoras ao segmentaram os espaços para serem colonizados direcionando para c (...)

30A igreja devido ao forte religiosidade que marcava a região desempenhava a função de identidade e união social (Werlang, 2002), sendo tomado até mesmo como fator de segregação social no processo de colonização adotado pelas empresas colonizadoras10. Simbolizando diferentes etapas da vida social, era sempre uma das primeiras tarefas a serem realizadas, pois a construção da igreja possibilitava o exercício da fé, que era um elemento importante na vida da população. Neste caso, o pároco também era importante figura na trama social, pois representava um caminho de comunicação com as condutas morais a serem desenvolvidas pela sociedade. Deste modo, sua influência na sociedade era sempre significativa, contudo não lhe eximia postura parcial em favorecimento de determinados grupos sociais (sobretudo em relação aos doadores de terras para construção da própria igreja, salão comunitário, etc). Aqui é oportuno uma das contribuições de Bordieu (2003) em relação a eficácia que o poder simbólico possui em obter quase o equivalente aquilo que seria obtido mediante a força, que só se exerce se for ignorado como arbitrário. Uma relação entre aqueles que exercem o poder e aqueles que estão sujeitos a este, sendo assim “o que faz o poder das palavras e das palavras de ordem, poder de manter a ordem ou de a subverter, é a crença na legitimidade das palavras e daquele que as pronuncia” (BORDIEU, P. pg.15, 2003).

  • 11 O exemplo mais clássico do Brasil, a Lei de Terras, determinou que somente quem dispusesse de capit (...)

31A delegacia está relacionada com o espaço da justiça, na qual se atribui a cada indivíduo o que lhe compete, estando sempre em conformidade com a lei dos homens, dando foro de verdade, justa e legalidade às concepções e práticas desenvolvidas pelo delegado, ou por ele invocadas. No caso em foco, espaço de função pública que deveria proceder a jus, correspondeu à extensão de intenções particulares, que passam a determinar quais medidas correspondem ao exercício da justiça. Referido evento é enriquecido com a contribuição de Martins (1994) a respeito dos tênues limites entre esfera pública e privada na sociedade brasileira, sendo a primeira tomada e utilizada em pró da segunda. A utilização do poder público corrompendo-lhe sua essência, em proveito de reduzido grupo social, materializa-se tanto na promulgação de leis11, destinação orçamentária do erário público e construção ideológica. A construção de discursos que visam homogeneizar determinados conjuntos de valores, bem como interpretação a cerca da história (em diferentes escalas espaciais) que subjaz uma sociedade é um instrumento recorrente na sociedade brasileira, sendo também presente no Oeste catarinense.

32A ideologia construída é um instrumento importante na articulação entre os grupos sociais, dado que em virtude do papel desempenhado pelo grupo dominante (que geralmente impõe suas idéias), suas idéias, concepções tornam-se dominantes em cada época (CHAUÍ, 2003). Deste modo, o povo desenvolveria ações e comportamentos, que reservado suas diferenças e singularidades momentâneas, atuariam na mesma perspectiva e direção da elite, servindo-lhe de alicerce. Intrínseco as relações sociais, as ideologias servem “interesses particulares que tendem a apresentar como interesses universais, comum ao conjunto do grupo” (BORDIEU, pg.10, 2003)

33Destaca Chaui (2003) que elite, além de significar segregação, corresponde a afirmação de um padrão cultural único, situado como melhor opção de realização e conduta dos sujeitos, obliterando as diferenças, mas preservando a estrutura de poder e funcionamento social. Considerando que significativa parte dos discursos era advinda destes grupos locais tradicionais (elite local) o uso de um discurso com intenções universais era apropriado

  • 12 Inclusive é a partir da relação que ambos os grupos se afirmam, sem tornarem-se autônomos.

34A inexistência de um nítido contorno entre elite social e massa popular12 é facilitador para que esta última atue em conformidade com as concepções de domínio. O ocultamento da dominação ocorre ao atenuar as diferenças sociais existentes, utilizando para isso um discurso coercitivo e que utiliza expressões que denotam unidade entre os diferentes grupos sociais. Um exemplo é a idéia de construção do país, que impunha uma concepção de moderno a partir de uma ordem social, viabilizando o progresso da nação (discurso presente em diferentes meios no Chapecó de 1950). Essa idéia traz implícita a emissão de juízos sobre organizações sociais, definido-as como modernas ou não (nas dimensões econômicas e civilizatórias), bem como enaltece uma ordem social a ser mantida, minimizando mudanças estruturais. Direcionando esta interpretação para o contexto analisado, refere-se à valorização das práticas capitalistas desenvolvidas pela oligarquia agrária e seus ajustes contextuais (transferência de capitais e atuação no setor madeireiro), preservando-lhe as relações de poder que conferiam ordem à conduta social. É a potencialidade do atraso (das relações sociais, políticas e emancipação individual do sujeito) no desenvolvimento do moderno (restrito à economia e à um pequeno segmento social) que Martins (1994) argumenta.

  • 13 A construção desses valores também pode ser observado nas festividades locais e nas figuras históri (...)

35Para que referidos discursos adquiram valor de verdade também passam a serem reforçados num pólo que se situe fora da sociedade, predominantemente em instituições e organismos que existam para proporcionar o bem comum, corresponde ao Estado e seus braços de apoio e constituição (escolas, delegacia, etc). Esta influência com correspondente valor de verdade é desempenhado pelos líderes locais13, utilizando diferentes meios de comunicação para isto.

36Essas instituições, assim como o Estado, são visualizadas como poderes transcendentes à sociedade, todavia são engendradas no interior desta. E é neste nascimento interno à sociedade que os grupos de elite encontram meios para o domínio social, usurpando as funcionalidades atribuídas à referidas instituições, provendo as elites de privilégios e benefícios.

Considerações finais

37O espaço de vida de uma sociedade compõe uma paisagem polissêmica, pois expressam além de seus significados mais tradicionais, possuem valores e ideologias que são construídas no seio de uma sociedade, envolvendo questões estruturais em que se assentam o próprio desenvolvimento social e seu processo de complexização de relações sociais e políticas. Deste modo, podem ser utilizados estrategicamente para reforçar sua posição de domínio social sem que referida atitude seja identificada, devido a instrumentos ideológicos e condutas de expressam um comprometimento com o bem comum.

38No caso analisado pode ser verificado que as relações de poder se constituíram de forma histórica, a partir da forma de apropriação espacial realizada pelos ocupantes dos campos e as relações sociais advindas dessa organização sócioespacial. A partir da colonização esta elite passa a se rearticular com os migrantes, reforçando sua posição de domínio a partir da doação de terrenos para fins comunitários e exercício de importantes funções (como o poder judiciário e executivo), atribuindo aos espaços públicos o desdobramento de interesses particulares, exemplificado pela utilização da delegacia e espaço público para o “linchamento” de sujeitos de oposição à elite tradicional, que com a participação de membro da religião local e delegado, tal ato, que corresponde à intimidação às mudanças, fora insistentemente disseminado à população local como justo, seja na justiça de deus como justiça dos homens pela participação e aprovação do pároco e delegado, respectivamente.

39Devemos considerar ainda que o contexto temporal demarcava a busca de uma identidade não apenas local, mas nacional. Passado pouco mais de meio século da proclamação da república brasileira, buscava-se uma identidade ao país, que por ser constituído por povos novos não conseguia utilizar os tradicionais elementos de unidade nacional (língua, religião e passado em comum), o que possibilitou que o território fosse adotado como tal. Compreendendo o território como elemento de coesão nacional, a pujança do país dependia apenas no povo disponível para construir a nação, identificando quais os padrões (sociais, culturais, produtivos) eram aptos a este processo. Não sendo diferente para a região em estudo: trabalho e religiosidade eram símbolos dos migrantes, cujos valores foram atingidos mediante os incêndios, o que justifica a vingança. A situação de revolta foi usada como extensão de interesses particulares, ou seja, o interesse do grupo local tradicional intimidar a emergência de novos atores políticos locais.

Haut de page

Bibliographie

ABREU, M. A apropriação do território no Brasil colonial. In: CORRÊA, R.L., GOMES, P.C.C; CASTRO, I.E. Explorações geográficas. Percursos no fim de século; Rio de Janeiro. Bertrand Brasil. 1997.

BORDIEU, P. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. 6ª Ed. Rio de Janeiro; Bertrand Brasil, 2003.

CHAUI, Marilena. Cultura e democracia: O discurso competente e outras falas. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

CORRÊA, R. L. Monumentos, política e espaço. Geo Crítica / Scripta Nova. Revista electrónica de geografía y ciencias sociales. Barcelona: Universidad de Barcelona, 15 de febrero de 2005, vol. IX, núm. 183. <http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-183.htm> [ISSN: 1138-9788]

CEOM. Disponível em www.unochapecó.edu.br/ceom. Acesso em 30/04/2014.

ESPINDOLA, Carlos Jose. As agroindústrias no Brasil: ''o caso Sadia''. Chapecó: Grifos, 1999. 266p.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil. Ensaio de interpretação sociológica. 3ª Ed. Rio de Janeiro. Zahar Editores, 1981.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. São Paulo; Editora Nacional. 15ª edição. 1977.

HASS, M. O linchamento que muitos querem esquecer. Argos, Chapecó. 2003.

MARTINS, J.S. O poder do atraso. Ensaios de sociologia da história lenta. São Paulo. Hucitec. 1994.

________. O cativeiro da terra. 6

ª edição. Hucitec. São Paulo. 1996.

MORAES, A.C.R. Território e história no Brasil. São Paulo, Hucitec; AnnaBlume, 2002.

POLI, J. Caboclo. Pioneirismo e marginalização. Cadernos do CEOM. Chapecó; Fundeste, ano 5; nº 7;p 47-88; 1991.

WERLANG, Alceu Antonio. A Colonização do Oeste catarinense. Chapecó, Argos, 2002.

Haut de page

Notes

1 A epígrafe (longa, mas sugestiva) é posta com o propósito de perturbar a quietude quanto a força que determinados espaços possuem no desenvolvimento da vida social de comunidades, sobretudo, locais. Dotados de significados, símbolos e eventos são desenvolvidos nas aglomerações humanas com o propósito de cumprir uma determinada função, premeditada ou desencadeada num conjunto maior. O que se propõe discutir aqui é o significado que determinados espaços adquirem na vida social de uma comunidade (Chapecó em 1950), e como esta semântica foi construída e utilizada por grupos sociais utilizando um discurso ideológico. Primeiramente será exposto o contexto empírico e num segundo momento, buscar-se-á o entendimento, visando fundamentar teoricamente o contexto analisado

2 Informações sobre os tributos cobrados pelo uso da terra, bem como sobre a evolução desses tributos e sua articulação com a Igreja podem ser consultados em Abreu, M. 1997.

3 Esses enlaces, de acordo com Fernandes (1981), possibilitaram a produção contínua de riquezas no Brasil, sem provocar uma ameaça ao domínio político de Portugal devido à uma possível autonomia econômica, pois o fazendeiro (que internamente era importante e poderosa figurava social) perante à metrópole correspondia á um fazedor de riquezas metropolitanas na colônia, fortemente vinculado com a primeira, portanto, sem representar-lhe ameaça.

4 Esses campos correspondem à atual região Oeste catarinense.

5 Martins em “O cativeiro da Terra”, aborda como essa relação é desvirtuada mediante a cobrança de renda pelo uso da terra, pois estes posseiros geralmente preparam a terra para determinada atividade a serem posteriormente desenvolvida pelo fazendeiro e neste meio tempo, pagam-lhe algum tipo de renda, quando na verdade, é o fazendeiro que deveria pagar ao posseiro por ter-lhe preparado a terra e fornecido-lhe gêneros alimentícios.

6 A influência desta ideia de destino já posto, no caso aqui a vocação agrícola, será mais bem trabalhada no item seguinte.

7 Caracteriza-se pela inserção deste espaço as relações capitalistas através a comercialização da produção excedente, bem como por desenvolver um padrão de sociabilidade e organização do espaço que atendia ao que definia-se como modelo de civilização.

8 Esta informação é importante, porque causou revolta aos migrantes que tiveram os frutos de seu trabalho destruídos por valores exatamente opostos.

9 Detalhes sobre o transcorrer dos fatos (como depoimentos, torturas, ausência de segurança aos cárceres, etc) podem ser consultados em “O linchamento que muitos querem esquecer” de Monica Hass. É da referida fonte as informações sobre o linchamento apresentadas no texto.

10 Algumas empresas colonizadoras ao segmentaram os espaços para serem colonizados direcionando para cada um, pessoas de mesma etnia e credo religioso, a fim de facilitar a integração entre os novos moradores. (Werlang, 2002)

11 O exemplo mais clássico do Brasil, a Lei de Terras, determinou que somente quem dispusesse de capitais poderia ser proprietário, desconsiderando os inúmeros posseiros espalhados pelo país. Do mesmo modo, preservou as relações de poder entre proprietários e foreiros.

12 Inclusive é a partir da relação que ambos os grupos se afirmam, sem tornarem-se autônomos.

13 A construção desses valores também pode ser observado nas festividades locais e nas figuras históricas, ao marginalizar os demais segmentos sociais que também estiveram presentes nas constituições sociais. Isso se exemplifica pelas festas de aniversário dos municípios e do “colono e motorista” que caracterizam a região, todavia utilizam figuras dos migrantes colonizadores, enaltecendo sua importância.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 01 – Localização atual do município de Chapecó no estado de Santa Catarina.
Crédits Fonte: IBGE; Org: Moraes, C.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9646/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Figura 02 – Vista área da cidade de Chapecó na década de 1950.
Crédits Fonte: Ceom, 2014.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9646/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Figura 03 – Croqui identificando espaços e parte do movimento efetuado pelos manifestantes.
Crédits Fonte: Hass. Org: Moraes, C.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9646/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Figura 04 – Moradores de Chapecó observando os corpos queimados e expostos.
Crédits Fonte: Hass, 2013.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9646/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Cristina de Moraes, « Espaços e relações de poder em Chapecó/SC na década de 1950. », Confins [En ligne], 21 | 2014, mis en ligne le 16 août 2014, consulté le 23 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/9646 ; DOI : 10.4000/confins.9646

Haut de page

Auteur

Cristina de Moraes

Bacharel e Mestre em Geografia, tutora dos cursos de Geografia e Sociologia – Unijui, cris2.moraes@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org