Navigation – Plan du site
Resenhas

Geografias empáticas: homenagem a Paul Claval

Guilherme Ribeiro
Référence(s) :

É geografia, é Paul Claval

organizado por Maria Geralda de Almeida e Tadeu Alencar Arrais

Goiânia: FUNAPE, 176p.

2013

Texte intégral

Resenha inscrita no âmbito das atividades do Laboratório Política, Epistemologia e História da Geografia (LAPEHGE/UFRRJ). Apoio: FAPERJ.

1Bela e justa homenagem prestada por Maria Geralda de Almeida (UFG) e por Tadeu Alencar Arrais (UFG) ao organizarem um e-book ― sinal dos tempos! ― consagrado ao geógrafo francês Paul Claval por ocasião de seus oitenta anos (oitenta e um, para sermos exatos). Escolha simples, porém nada superficial (assim como é o próprio Claval), a do título da obra. É geografia, é Paul Claval: fórmula sintética que deseja transmitir aos leitores a relação empática estabelecida por Claval com seus interlocutores ao redor do mundo e seu engajamento apaixonado e militante em nome da geografia.

2Sua trajetória intelectual confunde-se com a produção geográfica da segunda metade do século XX não apenas por sua intervenção direta (e, não raro, marcante) em temas os mais diversos como geografia econômica, geografia urbana e geografia cultural, mas também por ser ele, Claval, um dos principais historiadores do pensamento geográfico engendrado entre o final do século XIX e nossos dias. A expressão “nossos dias” não está aqui por acaso: seus últimos artigos revelam toda sua atenção às tendências da ciência geográfica para o século XXI. Recuperando os trabalhos de David Harvey, de um lado, e aqueles relativos à história da ciência, de outro, Paul Claval promove um balanço da geografia marxista e da epistemologia da geografia nos artigos Marxismo e geografia econômica na obra de David Harvey e Como construir a história da geografia? (CLAVAL, 2013, 2013a).

3Detalhe não menos importante se se trata de perscrutar um pouco mais a forma como Claval lida com o conhecimento: ambos os artigos foram publicados em periódicos que acabaram de nascer. Quem já teve a oportunidade de conversar com ele mais detidamente sabe de seu entusiasmo para com a divulgação e a expansão do saber geográfico.

4O livro em questão foi organizado em duas seções: na primeira, seus ex-orientandos Margareth de Castro (UFSC), José Borzachiello da Silva (UFC), Salete Kozel (UFPR), Lucileyde Feitosa Sousa e Paulo César da Costa Gomes (UFRJ) comentam alguns aspectos da obra de Claval mas, principalmente, repassam aos leitores as influências que dele sofreram e as experiências de pesquisa que com ele tiveram. Tudo indica que as contribuições do pensamento de Claval ligadas à geografia cultural foram as que incidiram com mais intensidade entre os geógrafos brasileiros nos últimos vinte anos ― algo que poderíamos atestar pelo êxito de Zeny Rosenthal (UERJ) e Roberto Lobato Corrêa (UFRJ) na organização de simpósios bi-anuais e de livros dedicados a esse gênero geográfico. Nestes eventos e nestas publicações, não por acaso, Claval sempre esteve presente: Rosenthal também fora orientada por ele em Paris.

5Em tempos de abordagens extremamente férteis associadas à circulação dos saberes (WERNER & ZIMMERMANN, 2004), seria de enorme valia investigar quais foram os sujeitos, as instituições e os temas de pesquisa que, em uma via de mão dupla, reuniram Paul Claval e o campo geográfico brasileiro a partir, cremos, dos anos noventa. A caracterização dessas redes certamente iluminaria parte de nossa compreensão sobre a atual fase de inserção internacional da geografia brasileira, o papel das agências de fomento neste movimento, a ampliação dos programas de pós-graduação em geografia e a publicação de textos de geógrafos nacionais em periódicos franceses ― apenas para citar alguns elementos.

6De maneira ampla, ao recuperarmos a história do pensamento geográfico, constatamos tratar-se da continuidade de uma herança, iniciada nos anos trinta com a fundação da USP e da (atual) UFRJ. Afinal, é sabido de todos a influência de Pierre Monbeig e Pierre Deffontaines (para não mencionar o nome de Fernand Braudel, simultaneamente historiador e geógrafo) na formação de uma geração de geógrafos no país (ANGOTTI-SALGUEIRO, 2006; FERRETTI, 2014). À sua maneira, Claval e seus orientandos (tornados parceiros de trabalho tout de suite) estão a escrever as páginas de uma rica tradição de intercâmbios culturais unindo Brasil e França. Nesse sentido, como não poderia deixar de ser, Claval, tal como seus antecessores, também assina duas obras sobre o Brasil: La fabrication du Brésil – une grande puissance en devenir (CLAVAL, 2004) e Le Brésil (CLAVAL, 2009).

7Não podemos deixar de mencionar o papel jogado pelo idioma nesta tessitura: Claval lê, escreve e fala a língua de Machado de Assis. Além disso, a origem latina do francês e do português aproxima-nos, brasileiros, da bibliografia francófona. Não é mera coincidência, portanto, a forte presença da tradução de franceses em nossos cursos universitários de geografia, tal como os nomes de Pierre George (em um passado recente) e Yves Lacoste (ainda hoje) bem podem comprovar. Milton Santos, nosso géografo mais renomado, não estudou na França e teve como maiores inspiradores os geógrafos do Hexágono? (SANTOS, 2000).

  • 1 Até onde nos foi permitido conhecer, texto inédito em português.
  • 2 Texto inédito extraído do livro Ennoblir et embellir. De l’architecture à l’urbanisme (CLAVAL, 2011 (...)

8A outra seção da obra enfatiza seis trabalhos de Claval publicados entre os anos noventa e 2013: A natureza e o propósito da geografia política; A “virada cultural” em geografia; Geografia econômica e economia; O território na transição da pós-modernidade; Uma agenda para a geografia 1; e As dimensões funcionais e simbólicas da composição urbana no século XIX 2, reveladores dos diversos interesses do autor. No entanto, é possível reconhecer algumas linhas gerais de orientação. A saber:

9- perspectiva liberal tanto na esfera política quanto na econômica;

10- rejeição às metanarrativas modernas e a qualquer tipo de dogmatismo interpretativo;

11- cultura como eixo central de entendimento da vida social, sublinhando ora a civilização material, ora as mentalidades;

12- influência de autores de língua inglesa, embora os franceses sejam largamente predominantes ― sobretudos os representantes da École Française de Géographie;

13- epistemologia mais compreensiva que propriamente crítica, valorizando a diversidade de experiências espaciais e de gêneros de vida ao redor do globo;

14- estima pelos trabalhos de campo, pela observação das paisagens e pelo diálogo com habitantes locais;

15- démarche necessariamente histórica perante o temário geográfico, resgatando o vigor da produção historiográfica francesa oriunda, em geral, da “Escola” dos Annales.

16Na última década, Paul Claval vem operando interessante movimento intelectual: uma espécie de recuperação crítica, um balanço de suas reflexões ― porém, atualizadas de acordo com os impactos provocados pela globalização e pela pós-modernidade. Três de suas últimas obras são exemplos disso: Chroniques de géographie économique, Les espaces de la politique e De la terre aux hommes. La géographie comme vision du monde (CLAVAL, 2005, 2010, 2012).

17Particularmente, gostaríamos de separar aquela que consideramos a obra-prima de Claval: Histoire de la géographie française de 1870 à nos jours (CLAVAL, 1998). A geografia francesa é aqui apresentada na pluralidade de suas vertentes e sob a devida contextualização histórica, de modo a clarificar os principais agentes e debates que atravessaram um século. Redigida em um francês claro, fluido e agradável de ler ― marcas da narrativa clavaliana ―, a bibliografia utilizada nesse livro é referência para todos os estudiosos interessados pela ciência geográfica.

18Enfim, É geografia, é Paul Claval contempla todos aqueles que tiveram a chance de trabalhar com Claval e desfrutar de sua generosidade ― sobretudo para com jovens pequisadores ―, sua profunda erudição e seu respeito pela opinião alheia. Claval é um verdadeiro professor na acepção mais profunda do termo. Sua obra está à disposição para ser lida e criticada ― mas, dificilmente, ignorada.

Haut de page

Bibliographie

ANGOTTI-SALGUEIRO, Heliana (org.). Pierre Monbeig e a Geografia Humana brasileira: a dinâmica da transformação. Bauru: Edusc (2006).

CLAVAL, Paul. Marxismo e geografia econômica na obra de David Harvey. Espaço & Economia. Revista Brasileira de Geografia Econômica (on line), 3 (2013).

CLAVAL, Paul. Como construir a história da geografia? Terra Brasilis (Nova série) (on line), 2 (2013).

CLAVAL, Paul. De la terre aux hommes. La géographie comme vision du monde. Paris : Armand Colin (2012).

CLAVAL, Paul. Ennoblir et embellir. De l’architecture à l’urbanisme. Paris: Les Carnets de l'info (2011).

CLAVAL, Paul. Les espaces de la politique. Paris: Armand Colin (2010).

CLAVAL, Paul. Le Brésil. Paris: Le cavalier bleu (2009).

CLAVAL, Paul. Chroniques de géographie économique. Paris: L’Harmattan (2005).

CLAVAL, Paul. La fabrication du Brésil – une grande puissance en devenir. Paris: Nathan (2004).

CLAVAL, Paul. Histoire de la géographie française: de 1870 a nos jours. Paris: Nathan/VUEF (1998).

FERRETTI, Federico. Pierre Deffontaines et les missions universitaires françaises au Brésil : enjeux politiques, circulation des savoirs et enseignement de la géographie (1934-1938). Manuscrit inédit (2014).

SANTOS, Milton. Território e Sociedade Entrevista com Milton Santos. 2ª ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo (2000).

WERNER, Michael, ZIMMERMANN, Bénédicte (dir.). De la comparaison à l’histoire croisée. Paris: Seuil (2004).

Haut de page

Notes

1 Até onde nos foi permitido conhecer, texto inédito em português.

2 Texto inédito extraído do livro Ennoblir et embellir. De l’architecture à l’urbanisme (CLAVAL, 2011).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Guilherme Ribeiro, « Geografias empáticas: homenagem a Paul Claval  », Confins [En ligne], 21 | 2014, mis en ligne le 14 août 2014, consulté le 30 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/9684

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org