Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

As eleições de 2014 no Brasil

André Nagy et René Somain

Texte intégral

  • 1 Usando, para a promeira fase do trabalho, os softwares Philcarto (http://philcarto.free.fr/) e Cart (...)

1Os resultados das eleições estão, cada vez mais, bem mapeados na mídia, aprofundar a sua análise nos leva a melhorar a leitura dos dados brutos providenciados (rapidamente e eficientemente) pelo Tribunal Superior Eleitoral, e a relacioná-los com fatores sociais, econômicos e regionais na forma de mapas sintéticos1.

2Uma primeira leitura da distribuição do resultado do primeiro turno caracteriza dois candidatos com forte importância territorial e a divisão do país em dois blocos, já verificada nos pleitos de 2006 e 2010 em favor dos mesmos partidos políticos, PT e PSDB (respectivamente Dilma Rousseff e Aécio Neves em 2014). Nota-se, porém, a presença de um terceiro fator que não estava tão marcado nas eleições em 2002 e 2006, a terceira concorrente, Marina Silva, que tanto em 2010 como neste pleito, marcou o mapa com participação significativa de seus votos em regiões mais desenvolvidas, quer seja industrial, de serviços, ou ainda agropecuária, de Norte a Sul.

3Outra questão que vem preocupando vários analistas é a distribuição relativa dos votos brancos e nulos, que apresentam uma divisão territorial bem marcada. Os brancos estão muito presentes nas regiões Sul, Sudeste e no litoral e Zona da Mata nordestina, tanto no primeiro quanto no segundo turno, e podem ser interpretados como um voto de protesto, de rejeição de todos os candidatos. Os votos nulos por sua vez tem distribuição distinta entre os dois turnos, no primeiro turno vê-se que o fenômeno é mais acentuado no Nordeste, possivelmente pela dificuldade do voto eletrônico (que obriga a teclar adequadamente os números de candidatos a deputado estadual, deputado federal, senador e presidente da República). No segundo turno o voto nulo foi fortemente vinculado às eleições dos governadores que não tinham sido eleitos no primeiro turno, que ocorreram em treze estados e no Distrito Federal, o voto nulo foi mais elevado nestas áreas, exceto no Acre e Mato Grosso do Sul, estados que apesar do pleito estadual tiveram baixíssimos índices deste tipo de voto.

4As abstenções por sua vez apresentam desempenho similar nos dois turnos e podem estar mais vinculadas a outros fatores, tais como dificuldades de deslocamento até os locais de votação, baixa densidade populacional, ou ainda por questões do próprio TSE, como a ausência de um recadastramento eleitoral, fato que ainda não foi afetado pela introdução da biometria, já que esta foi feita completamente em apenas 762 municípios e atinge apenas 16,7% dos eleitores cadastrados.

5Ainda que pese o aproveitamento do segundo turno das eleições presidenciais ter um escore muito próximo (51,7% para Dilma, reeleita, 48,3 para Aécio), podemos confirmar a divisão territorial tão comentada e já verificada em eleições anteriores. Dilma Rousseff elegeu-se a partir de forte concentração de votos no Nordeste e Norte do País e Aécio teve sua presença marcada nas regiões Sul, Centro Oeste. Os estados do Sudeste, São Paulo e Espírito Santo votaram fortemente no candidato a oposição e Rio de Janeiro e Minas Gerais dando vitória à candidata de situação.

6Finalmente submetemos os resultados da atual eleição e das anteriores (desde 2002), assim como alguns dados socioeconômicos, a uma análise fatorial. Este tipo de tratamento tem por objetivo identificar os fatores que diferenciam os municípios na massa de dados submetidos à análise, desde aquele que representa a maior parte possível da sua variância (fator 1) até os proporcionam uma parte menor da mesma (fatores 2, 3, etc.). A posição das variáveis nestes fatores são plotados num gráfico cartesiano que os combina dois por dois, as proximidades e oposições indicando que elas atuam no mesmo sentido ou no sentido oposto na diferenciação dos municípios.

7O plano fatorial envolvendo fatores 1 e 2 mostra uma oposição dupla: o eixo 1 (horizontal, 38,9% da variância) opõe Dilma aos candidatos tucanos, como em 2010 (estes são associados IDH alto e populações de pele branca). Á Dilma (e Lula em 2006) são associados predominância dos serviços no PIB municipal, populações pardas e negras e concentração de beneficiários da Bolsa Família. O eixo vertical (2, 15,72% da variância) opõe de um lado o candidato Serra (em 2010) e a predominância do agronegócio a um grupo marcado pela presença da indústria, dos evangélicos e espíritas, do voto branco, onde se destaca principalmente o voto para Marina em 2010 e 2014, mas também para Lula em 2002, o que parece indicar uma transferência do voto de um nome para o outro no contexto aqui estudado.

8Os mapas que descrevem as pontuações nos fatores 1, 2 e 4 dão a dimensão regional desta análise estatística: o mapa do fator 1 separa as regiões que votaram no Aécio (azuis) daquelas que preferiram Dilma (amarelo e laranja). O mapa do fator 2 opõe o eleitorado urbano de Marina às regiões da soja e do gado, no Mato Grosso e no Pará, que votaram maciçamente no Aécio. O mapa do fator 4 opõe – curiosamente – regiões marcadamente católicas e evangélicas, não temos no momento explicações a propor à esta configuração, que representa apenas 7,6% da variância.

9Ao todo, estas imagens demonstram a utilidade do uso de técnicas mais avançadas de cartografia e análise de dados, o primeiro conjunto de mapas apoia-se na análise de clusters para determinar em cada município os pesos relativos dos votos para Dilma, Aécio e Marina. O segundo conjunto usa a anamorfose para mostrar como seria o Brasil se a quantidade de votos ditasse o tamanho e forma de seus municípios (anamorfose) e a técnica da superfície de tendência para dar uma representação simplificada da organização territorial do voto para os dois principais candidatos. Finalmente a análise fatorial foi usada para detectar similaridades entre as ultimas eleições e as anteriores, e relacionar os seus resultados com dados socioeconômicos.

Haut de page

Notes

1 Usando, para a promeira fase do trabalho, os softwares Philcarto (http://philcarto.free.fr/) e Cartes et Données (http://www.articque.com/solutions/cartes-et-donnees/).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

André Nagy et René Somain, « As eleições de 2014 no Brasil », Confins [En ligne], 22 | 2014, mis en ligne le 28 novembre 2014, consulté le 21 novembre 2017. URL : http://confins.revues.org/9874 ; DOI : 10.4000/confins.9874

Haut de page

Auteurs

André Nagy

Sociologo, aronagy@gmail.com

Articles du même auteur

René Somain

Geógrafo, rene.somain@yahoo.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org