Navigation – Plan du site
Resenhas

I° Congresso brasileiro de geografia política, geopolítica e gestão territorial - Congeo

Aldomar A. Rückert

Texte intégral

1A Geografia Política, a Geopolítica e a Gestão Territorial tiveram um grande momento neste ano de 2014 no Brasil, quando da realização do I Congresso Brasileiro dedicado aos temas na Pontifica Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro, entre os dias 7 e 10 de outubro passado.

2No Brasil estes ramos interligados do conhecimento, mais conhecidos por Geografia Política, apesar de dedicarem-se à pesquisa e ao ensino de temas que focam o poder e políticas públicas (Geografia Política e Gestão Territorial) ou a conflitos internacionais ou inter-regionais (Geopolítica) não tinham ainda um espaço próprio de discussão e interação com a sociedade e governos. A Geografia, por si só, é um amplo campo de conhecimentos que abriga vários ramos específicos tendo crescido no Brasil os estudos urbanos, agrários, culturais, ambientais, por exemplo, com vários fóruns específicos. Na análise dos conflitos, por exemplo, os internacionalistas e jornalistas têm aumentado seu poder de influência apresentando-se como geopolíticos ocupando amplos espaços junto ao público.

3É reconhecido que a Geografia Política, mesmo sendo considerada a fundadora da Geografia Humana, é pouco pragmática. No Brasil, por exemplo, é reduzida a produção científica e técnica sobre as políticas territoriais enquanto que na produção técnica em formulações deste tipo de políticas constatam-se, igualmente, grandes ausências. Não sem razão autores importantes afirmam que a razão de ser da Geografia Política é a sua íntima conexão com a raison d’État. Porém esta razão de Estado e sua “reflexão” sobre a natureza do poder continuam relativamente raras. Se a reflexão sobre as relações entre a natureza do poder é rara, mais escassas ainda são as relações entre estas e as dinâmicas territoriais. No Brasil, infelizmente, tem-se constatado que menor ainda é a presença da Geografia Política atuando em gestão territorial e na análise das dinâmicas territoriais, justamente a dimensão mais espacial da análise da Geografia Política.

4Docentes, pesquisadores e estudantes que se dedicam às frentes de pesquisa sobre as relações entre o poder e os usos políticos do território não vinham tendo fóruns apropriados para seus debates no campo específico dos geógrafos. Nos grandes fóruns de debates como a Associação Nacional de Pós-Graduação em Geografia (ANPEGE) sua ausência tem sido percebida. Em outros fóruns notáveis onde a interdisciplinaridade é grande, como a Associação Nacional de Planejamento Urbano e Regional (ANPUR) sua ausência também é importante. Embora intimamente ligada às políticas territoriais, ao planejamento e à gestão territorial a Geografia Política não viu crescer seu campo de reflexão e ação enquanto ampliaram-se em grande número os programas de pós-graduação por todo o país.

O que afirmaram os organizadores do evento, a REBRAGEO

5Nos termos dos organizadores do evento, a Rede Brasileira de Geografia Política – REBRAGEO- liderados pelo Prof. Dr. Augusto César Silva, o evento se justificou pelos fatos seguintes:

As dinâmicas espaciais do mundo pós-século XX estão transformando, intensamente, as políticas institucionais na atualidade, o que reestrutura as bases de novas organizações políticas, econômicas, culturais e tecnológicas na contemporaneidade do século XXI. 

(...)

Acompanhando esse cenário de fortes mudanças, um grupo de pesquisadores territoriais (geógrafos, geopolíticos, gestores públicos...) reunidos em Manaus, em maio de 2013, decidiu criar a Rede Brasileira de Geografia Política, Geopolítica e Gestão do Território (REBRAGEO), canal de estruturação de estudos espaciais capazes de ajudar a sociedade civil e os agentes públicos e acadêmicos a pensar o mundo atual na sua formação político-territorial, para que nele se atue de forma competente.

  • 1 Fizeram-se presentes os convidados, dentre outros: ; Lia Osório Mach (...)

6Partindo da constatação da necessidade de construir-se uma proposta que envolva grupos de pesquisas em diferentes regiões do Brasil numa forma federada de trabalho a Rede apostou na construção de uma proposta nacional e internacional para ocupar espaços vagos no campo da disciplina e suas áreas conexas. Inscreveram-se duzentas e cinquenta e sete (257) pessoas, quatrocentos e cinquenta e três (453) trabalhos foram inscritos tendo sido aprovados cento e noventa e um (191) para apresentações em comunicações orais e posters. Vários convidados importantes fizeram-se presentes em várias e variadas conferências e mesas redondas1.

Uma justa homenagem à Bertha Koiffman Becker

7O evento foi marcado, em sua abertura, pela homenagem à geógrafa Professora Emérita Bertha Koiffman Becker, falecida em 13 de Julho de 2013. A homenagem foi feita na Conferência de Abertura do evento pelo Prof. Dr. Cláudio Antonio G. Egler, colega da homenageada no Laboratório de Gestão do Território (LAGET) da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

8 Bertha K. Becker graduou-se em Geografia e História pela Universidade do Brasil (1952). Livre-Docente em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1970). Realizou pós-doutorado no Massachusetts Institute of Technology - Department of Urban Studies and Planning (1986). Dedicada à geopolítica da Amazônia, ela foi a única geógrafa até hoje a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Ciências, onde participou do Grupo de Estudos que formulou o estudo “Proposta da Academia Brasileira de Ciências para um Novo Modelo de Desenvolvimento para a Amazônia”

9 Bertha Becker recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Lyon III e as medalhas David Livingstone Centenary Medal da American Geographical Society e Carlos Chagas Filho de Mérito Científico da FAPERJ (Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro). Nacionalista e cosmopolita ao mesmo tempo teve papel de destaque na União Geográfica Internacional (UGI), tendo sido vice-presidente da entidade no período de 1996 a 2000. Ela pensou o Brasil em dezenove livros, dezenas de artigos, capítulos de livros, trabalhos técnicos e consultorias a vários ministérios do governo federal (Ministério do Meio Ambiente, Integração Nacional e Ciência e Tecnologia, principalmente), tendo investigado os avanços das frentes pioneiras e a Amazônia por mais de quarenta anos. Seu legado é incontestável e, como afirmou o Prof. Dr. Cláudio Egler, “ela vive entre nós”.

Alguns dos grandes temas que compareceram ao evento

10Grandes temas compareceram ao evento através de vozes importantes como a de Lia Osório Machado em sua Conferência de Abertura que tratou de “Império e Giro Epistemológico” – a dimensão da geopolítica estadunidense na atualidade para a compreensão do mundo atual. Outro tema foi a evolução da geografia política desde os anos 1990 numa perspectiva internacional por André-Louis Sanguin, da Universidade Paris Sorbonne IV e atuante em inúmeras universidades. Em seus termos no final deste ano de 2014 a geografia política, como disciplina universitária, não tem mais os mesmos aspectos que no início dos anos 1990. Entre 1990 e 2014 a geografia política modificou-se profundamente de um ponto de vista quantitativo e institucional no que diz respeito a programas universitários, associações internacionais, revistas, colóquios e simpósios. Em seus termos é a primeira vez que ele assistiu a um Congresso de Geografia Política, desta vez no Brasil.

11Outro dos grandes temas da geopolítica internacional foi a abordagem da crise da Ucrânia e a anexação da região autônoma da Crimeia, no Mar Negro, em março de 2014 pela Rússia. A crise na região leste da Europa e as tensões geopolíticas entre a União Europeia e a Rússia foi abordada por dois conferencistas, Wanderley Messias da Costa (Universidade de São Paulo) e Yann Richard (Université Paris I Panthéon Sorbonne). A importância da região é classicamente conhecida não apenas na teoria da Terra Coração de Harfold Mackinder mas por estar, rotineiramente, no centro de tensões geopolíticas da ordem mundial.

12A crise de ordem interna na Ucrânia e suas opções preferenciais comerciais estratégicas como parceiro da União Europeia ou da Rússia, a re-anexação da Criméia à potência russa são fatos, aparentemente, distantes do público brasileiro. Entretanto, é importante lembrar não apenas que há colônias de ucranianos no sul do Brasil desde o fim do século XIX, provindos da região da Galícia, o que torna a região afetivamente ligada ao sul do Brasil mas, principalmente, pelo fato que a poderosa Frota Russa do Mar Negro localiza-se em Sebastopol, na Criméia. Não são apenas notícias da pauta no cenário internacional multipolar em reorganização de forças mas de temas de grande relevância geopolítica de interesse da diplomacia e do público de docentes e discentes no Brasil.

13Merecem destaque outras sessões com importantes nomes da Geografia Política no Brasil. A sessão que tratou das teorias geopolíticas contemporâneas reuniu, por exemplo, Edu Silvestre de Albuquerque – Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Natal, RN); Charles Pennaforte – Escola de Altos Estudos Estratégicos e de Geopolítica e André Roberto Martin – Universidade de São Paulo tendo o debate versado sobre o conceito de blocos internacionais de poder o que envolve uma gama variada de configurações jurídicas e institucionais que gravitam em torno de objetivos econômicos (União Europeia, Mercosul, Nafta, etc.) ou político-militares (OTAN). Os palestrantes descreveram as premissas do antagonismo geopolítico básico entre maritimidade e continentalidade, para em seguida, apontar sua presença na construção da história do "longo século XX". Especial importância foi dada pelos painelistas sobre a meridionalidade como um novo bloco de poder no cenário mundial.

14Em outro momento a gestão territorial de municípios foi o foco da sessão. Antonio Angelo Martins da Fonseca, da Universidade Federal da Bahia, Salvador, por exemplo, tomou como ponto de partida a importância da gestão territorial na escala municipal como um exercício de leitura e compreensão da realidade federativa brasileira e como uma opção de visibilidade da interconexão política entre as escalas local e global. Ainda em outro espaço de discussão examinou-se o planejamento e gestão dos territórios em uma perspectiva localista: as experiências dos Zoneamentos socioespaciais e ecológicos na escala municipal brasileira na atualidade. A exposição de Augusto César Silva (PUC-Rio) abordou as potencialidades políticas e contradições na gestão de Zoneamentos Socioecológicos e Econômicos (ZSEE), na escala local do aparato político-institucional municipal. Ainda na mesma mesa, outro pesquisador da PUC-Rio, Prof. João Luiz de Figueiredo Silva abordou o tema das criatividades nos processo de gestão das metrópoles na atualidade, e como a gestão metropolitana pode ser inovadora ao pensar nas perspectivas localistas e potenciais das criatividades dos lugares.

15Em outro momento importante considerando as relações de vizinhança fronteiriça o colega Mario Valero Martinez da Universidad de los Andes – Mérida- Venezuela destacou a importância da revalorização da Geografia como saber fundamental para explorar e interpretar as novas e múltiplas variações sócio-espaciais e territoriais. Martinez assumiu a defesa da revalorização da Geografia Política com seus novos temas para tratar e de maneira especial dando prioridade a um de seus temas tradicionais, os espaços de fronteira e suas tipologias. Partindo de uma visão venezuelana, o autor deu ênfase nos aspectos significativos que contribuem para propor as fronteiras como espaços de integração e sua utilidade na análise das vizinhanças entre Venezuela e seus vizinhos, especialmente com o Brasil. Finalmente analisou alguns aspectos significativos das relações bilaterais Venezuela-Brasil e sua importância no aproveitamento das potencialidades de seus espaços de fronteira.

Os cinco eixos do evento contaram com cento e noventa e um (191) trabalhos apresentados

16A chamada dos trabalhos foi estruturada em cinco (5) eixos temáticos: 1) geografia política e geopolítica clássica e contemporânea dos séculos XX e XXI; 2) (Geo) políticas do meio ambiente, gestão dos recursos e sustentabilidades; 3) localismo, nacionalismo, regionalismo e globalismo; 4) fronteiras: um constante desafio territorial e 5) as escalas de gestão das políticas territoriais.

17Da revisitação a autores clássicos da geopolítica tradicional, o Brasil e suas relações com os países vizinhos da América do Sul e do continente africano recebeu abordagens prioritárias por vários expositores. As pressões geopolíticas sobre a Amazônia, sua biodiversidade e a gestão ambiental transfronteiriça bem como a hidropolítica brasileira na América do Sul foram igualmente destaques. O desenvolvimento regional e novos municípios no Brasil bem como os investimentos chineses no Brasil estiveram presentes numa pauta variada. A questão da integração sul-americana passou a receber análises que discutem o paradigma integracionista porém agora permeado por políticas de defesa nacional. De forma talvez ainda inédita temas como mercado de trabalho, doenças tropicais e segurança foram localizados na região Faixa de Fronteira do Brasil. Os espaços de integração e segurança entre o Brasil–Paraguai são problemas recorrentes já que se trata de uma região transfronteiriça dominada pelo crime e pelas redes de contrabando e narcotráfico. O federalismo brasileiro, pacto federativo e a descentralização municipal; consórcios públicos intermunicipais; governança territorial; ordenamento territorial e planejamento regional no Brasil estiveram na ordem do dia também, como grandes carros-chefes do interesse pela gestão territorial do território brasileiro.

O que podemos aprender a fazer em geografia política, geopolítica e gestão territorial?

18Nas últimas décadas no Brasil a Geografia transformou-se num enfadonho campo de conhecimento que caiu no imobilismo epistemológico desde os anos 1980. As guerras entre correntes epistemológicas passaram a ocupar a vida cotidiana do ensino e da pesquisa. Enquanto há grandes reclamações que “a sociedade não reconhece a Geografia” as diversas comunidades adentraram atoleiros e pântanos teóricos que passaram a ocupar tempo e altos custos. Infelizmente a geografia aplicada ainda é muito pequena e, especialmente, na Geografia Política poucos são os que conseguem fazer a relação universidade – sociedade – governos, por exemplo. Também são poucos os geógrafos que ocupam espaços nas mídias para tratar de conflitos territoriais internacionais, em que pese o aumento de docentes que atuam nas redes sociais com grande sucesso. Após pelo menos quarenta (40) de revoluções teóricas restam perguntas se a comunidade nacional de geografia é engajada socialmente desenvolvendo uma nova práxis territorial ou se caímos num imobilismo de alto custo para as agências de fomento, para as universidades e escolas...

19As consequências do imobilismo epistemológico tem sido as mais variadas: hoje há desafios para os quais muitos cursos não tem mais fornecido uma formação técnica e analítica adequada. Talvez esteja sendo repassadas responsabilidades para os inúmeros programas de pós-graduação que tem sido aberto no país, relegando responsabilidades para outro nível de formação, o que é totalmente indesejável. Trabalhar em geografia política aplicada à gestão territorial é, sem dúvida, um desafio que tem sido pouco desenvolvido necessitando-se de novas formas de interpretação das dinâmicas territoriais, a dimensão mais geográfica da análise da Geografia Política. Propõe-se, ao final desta nota sobre o I Congresso Brasileiro de Geografia Política, Geopolítica e Gestão Territorial – I CONGEO, em sintonia com as práticas recentes da REBRAGEO – Rede Brasileira de Geografia Política - a criação de redes teórico - técnicas nacionais / internacionais – redes de geografia política e gestão territorial; o fortalecimento de um pensamento federativo nacional na comunidade geográfica e a retomada de espaços institucionais perdidos para outros campos profissionais. Trata-se, enfim, de resgatar a utilidade pública de nossas disciplinas e campos de atuação da Geografia Política, da Geopolítica e da Gestão Territorial.

Haut de page

Notes

1 Fizeram-se presentes os convidados, dentre outros: Claudio Antonio Gonçalves Egler; Lia Osório Machado; Wanderley Messias da Costa; Iná Elias de Castro; André Roberto Martin além de um grande grupo de docentes de várias universidades de todo o Brasil. Os convidados internacionais foram: André-Louis Sanguín (Institut de Géographie - Universidade Paris Sorbonne IV); Yann Richard (Institut de Géographie - Universidade Paris Sorbonne I) e Mario Valero Martinez (Universidad de los Andes, Mérida, Venezuela).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Aldomar A. Rückert, « I° Congresso brasileiro de geografia política, geopolítica e gestão territorial - Congeo », Confins [En ligne], 22 | 2014, mis en ligne le 28 novembre 2014, consulté le 21 novembre 2017. URL : http://confins.revues.org/9879 ; DOI : 10.4000/confins.9879

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org