Navigation – Plan du site

A Physische Geographie de Immanuel Kant: descrição e história da natureza

La Physische Geographie d'Emmanuel Kant: description et histoire de la nature
Immanuel Kant's Physische Geographie: description and history of nature
Antonio Carlos Vitte

Résumés

Cet article vise à mettre en relation la géographie et la philosophie kantienne. Pour Kant, la géographie serait la seule science qui peut travailler l'empirique et le transcendantal par la création d'une relation multiscalaire, selon laquelle la description géographique, associée à la notion d'histoire de la nature pourrait reconstruire les processus et les paysages du passé et fournir des explications pour les paysages actuels.

Haut de page

Texte intégral

1Até meados do século XVIII a geografia não era considerada uma ciência (MAY, 1970) para Immanuel Kant (1704-1824). A geografia deveria apenas auxiliar a ciência e a razão fornecendo elementos para que a razão produzisse uma sistematização dos princípios empíricos das natureza. A função da geografia seria a de fornecer elementos à razão para a constituição de leis empíricas e auxiliá-la no ordenamento das relações causais.

2Para um Kant fortemente vinculado aos princípios do newtonianismo, para ser considerada uma ciência, a geografia deveria necessariamente trabalhar com leis transcendentais, uma vez que somente elas permitiriam a produção de prognósticos sobre os fenômenos (SLOAN, 2006).

3De meados do século XVIII, até o ano basilar de 1790, Kant revê seus postulados e sua fidelidade aos princípios do mecanicismo newtoniano, momento em que a natureza passa a ser concebida não mais como uma ideia, mas sim uma estrutura independente da razão e possuidora de uma história. A partir da concepção de uma história da natureza, poderiam ser construídos quadros evolutivos, cada qual com suas tipologias representativas (LENOIR, 1981; REILL, 2005; RUDWICK, 2005, p. 71-85).

4Então, a questão que se coloca é determinar a partir de qual momento e porque Kant passou a considerar a geografia como uma ciência? A premissa deste artigo é que houve uma interação complexa entre o desdobrar filosófico de Kant e o desenvolvimento das ciências naturais e da vida.

5O desenvolvimento da história natural e das ciências da vida obrigaram Kant a rever os postulados da Crítica da Razão Pura, onde os princípios mecânicos e os teleológicos foram reorganizados na Crítica da Faculdade do Julgar, derivando disto uma nova concepção sobre a natureza e sua sistematicidade. Por outro lado, a reflexão kantiana colocou questões de ordem metodológica a este novo quadro, conduzindo obrigatoriamente as ciências naturais e da vida a produzirem uma teoria geral sobre a história natural. Donde a filosofia kantiana, a partir da Terceira Crítica, forneceu o cimento epistemológico para a produção de uma nova visão sobre o mundo orgânico.

  • 1 Kant considera como ideia regulativa as regras ao espírito, elas são máximas que guiam a especulaçã (...)

6Este é o contexto em que a natureza deixa de ser apenas uma ideia regulativa1, ao mesmo tempo em que a geografia passa a ser considerada uma ciência por Kant, cujos princípios foram desenvolvidos pela naturphilosophie, na qual a geografia de Alexander von Humboldt é uma forte representante.

Buffon (1705-1788) e a história da natureza

7Entre 1748 e 1751 foram publicadas três obras que determinaram a mudança de rumo na história intelectual do Esclarecimento europeu e inauguraram uma nova visão sobre a sociedade e a natureza. Assim, em 1748 Montesquieu publicou o L’esprit des lois, em 1749 foi a vez de Buffon publicar o primeiro dos três volumes da obra Histoire naturelle, générale et particulière e já em 1751 o próprio Buffon inicia a publicação de sua monumental obra Histoire naturelle, constituída de trinta e seis volumes (SPARY, 2000).

8Em meados do século XVIII estas três obras propunham uma nova linguagem e uma nova interpretação sobre a sociedade, atingindo não somente a Europa educada e esclarecida, mas também o público em geral. Segundo Mornet (1910) em 1780 a Histoire naturelle de Buffon era a terceira obra mais lida e comentada na Europa, além de ser um dos livros mais populares na França.

9Até meados do século XVIII a matemática era a demonstração do poder da razão, ao ponto de Spinoza considera-la o olho da filosofia natural (JORDANOVA, 1986). Contudo, concomitante aos questionamentos sociais sobre o poder absoluto das autoridades monárquica e teológica (JACOB, 1981), ocorriam reações contrárias à filosofia natural de cunho mecânica-matemática. Estes questionamentos se dirigiam contra um esquematismo de cunho abstrato que era utilizado pelos filósofos mecanicistas nas interpretações da natureza e da sociedade.

10Para David Hume a natureza se caracterizava por uma uniformidade, assim como pela similaridade entre as formas e os processos. A partir disto, poderíamos falar na existência de uma identidade entre as formas e os processos, onde os eventos de transformação da natureza eram sempre similares no tempo (HUME, 2000, 2003).

11Ainda segundo Hume, a natureza era um complexo em constante revolução, onde as formas seriam destruídas mas e outras novas eram criadas (KROHN e KÜPPER, 1992) A certeza desta regularidade da natureza seria para Hume, dada pela observação da repetição das formas e dos processos.

12É neste contexto dos postulados de Hume, que pensadores do século XVIII como Buffon passaram a reavaliar as teses da filosofia mecânica, em especial a concepção de uma razão hipotética da razão.

13Para isto, a primeira posição assumida por Buffon foi a de ordem epistêmica e metodológica, concebendo que o conhecimento somente seria produzido a partir de uma estreita associação entre as formas de linguagem, o método e a explicação filosófica, associação esta que irá substantivar a retórica do filósofo natural na explicação sobre a natureza (JORDANOVA, 1986, p.35).

14Para Buffon haveria uma linguagem da natureza que não era abstrata e arbitrária como concebiam os filósofos mecanicistas, mas antes, a linguagem da natureza era factual e deveria ser buscada pelo filósofo natural por meio da intuição, da experimentação e da observação dos fenômenos reais.

15A noção de uma linguagem da natureza reabilitava o pensamento naturalista de Plínio, de Aristóteles e de Hipócrates; concomitantemente, Buffon se apropriava da concepção de vida na natureza, postura metafísica que fora defendida pelo hermetismo (DUCHESNEAU, 1985, p. 259-260) no Renascimento.

16A linguagem da natureza não era a matemática, como defendiam os filósofos mecanicistas, uma vez que segundo Buffon, a matemática não gerava conhecimento sobre a natureza pois não seria capaz de revelar os segredos da natureza. Estes segredos seriam atingidos pela observação e pela descrição dos fenômenos reais da natureza somente se inseridos em uma perspectiva histórica.

17Ao conceber a história como uma forma de conhecimento sobre os fatos naturais, Buffon reintroduziu a ontologia nos estudos sobre a natureza (KIERNAN, 1973). A introdução da história nos estudos da natureza era justificada por Buffon a partir do pressuposto que a natureza não era um sistema lógico como pensavam os filósofos mecanicistas, pois ela era permeada por contingências, além do que, muitos objetos da natureza eram únicos.

18A história permitia ao filósofo natural ordenar os fatos e os eventos empíricos em um quadro de sucessão temporal (SLOAN, 2006). Mas como ter certeza da observação? Não seria a noção de contingência dos eventos produto da falha da própria percepção?

19Sendo a natureza uma matéria de fato, a questão era determinar a regularidade de seus eventos (HUME, 2000, 2003; BUFFON, 1749-1778). Apropriando-se do cálculo das probabilidades, Buffon (HUNEMAN, 2006; SLOAN, 2006), concebia que a regularidade de um evento seria dada pela repetição de uma série similar de eventos. Repetição esta que seria suficiente para revelar a ordem empírica da natureza, cuja certeza era dada pelos experimentos e pelas observações de campo.

20Durante a observação da regularidade de um evento o pesquisador deveria se preocupar com a sequência e a repetição constante dos fatos. Assim, uma sucessão ininterrupta de eventos seria para Buffon a demonstração de uma verdade física (BUFFON, 1749-1778).

21A investigação da natureza deveria ser guiada pelo conhecimento indutivo, que era o fundamento da história natural em um dado tempo e espaço. A partir desta posição epistêmica, Buffon (op.cit.) se posicionava radicalmente contrário a classificação de Linneu, considerando esta classificação lógica e abstrata na medida em que Linneu não considerava as relações físicas das espécies no espaço e no tempo.

22Diferentemente de Linneu, para Buffon a classificação de uma espécie deveria ser necessariamente relacional, uma vez que a espécie seria o produto de relações intrínsecas a si mesma, mas também das relações com outras espécies e com o ambiente. Portanto, uma espécie estava sujeita a variações e transformações no tempo e no espaço (SLOAN, 1976).

23Esta premissa deveria ser levada em consideração no ato de classificação das espécies, pois segundo Buffon (1749-1778), esta classificação exigia estudos empíricos na natureza.

24Ao conceber a natureza como uma coisa material que se realiza em objetos e espécies a partir de transformações por suas propriedades intrínsecas, Buffon resgatou a concepção neoplatônica e hermética de vida da natureza e segredos da natureza (REILL, 2005). Estas duas concepções foram reordenadas no quadro epistemológico e metodológico de Buffon, permitindo a inserção da história como sendo uma estrutura chave para a compreensão sobre a diversidade das formas, dos objetos e das espécies na natureza. O sentido de história permitiu a Buffon e posteriormente a Cuvier desenvolver a noção de que a natureza, ou seja, as formas e as espécies se transformam por grandes revoluções que envolvem a história geológica e a da vida na Terra (REILL, 2005; RUDWICK, 2005).

25Portanto, o conhecimento da natureza é possível somente por meio de estudos empíricos e indutivos, com a participação da observação, da descrição e da experimentação. Onde a observação dos eventos, portanto a transformação das formas permitiria o estabelecimento de uma regularidade dos fenômenos naturais.

  • 2 Segundo Crombie (1954) durante a escolástica a observação era o único recurso metodológico para a i (...)

26Este posicionamento epistemológico de Buffon (1749-1778) ao fundamentar o papel da descrição da natureza2, em associação com a noção de sistemas de eventos e ao conceito de história da natureza, exigiu dos pesquisadores a necessidade de considerar como condição para investigação da natureza, que a mesma era externa, material e possuidora de uma dinâmica, cujo resultado seriam as morfologias.

27Então, a questão que se colocou remetia a construção de uma metodologia para a investigação científica, uma vez que a forma era o produto momentâneo de uma dinâmica espaçotemporal, envolvendo uma teia complexa dada pela relação entre a história da natureza e as condições ambientais.

28É neste contexto que os conceitos de fisionomia e de arqueologia da natureza irão impregnar o debate científico e filosófico a partir de meados do século XVIII, cuja expressão deste debate será o reposicionamento filosófico e científico de Kant.

29Esta reformulação kantiana terá dois claros impactos, o primeiro será no próprio conceito de razão, requalificada a partir deste momento como sendo produto de uma dinâmica e de uma história. O segundo está relacionado ao fato de que a geografia passará a ser considerada uma ciência, uma vez que para Kant, a história e a arqueologia da natureza exigia uma ciência que trabalhasse com a sincronia do espaço a partir de uma perspectiva de um desenvolvimento histórico da natureza (ADICKES, 1911; MAY, 1970; SLOAN, 2006).

Immanuel Kant: dos princípios regulativos e teleológicos aos morfotipos e a fisionomia da natureza enquanto recurso metodológico.

30Entre 1790 e 1840 as ciências naturais, assim como as ciências da vida, sofreram um forte desenvolvimento na Alemanha, impulsionadas basicamente pelo surgimento da história natural e pelo desenvolvimento da fisiologia (LENOIR, 1981). Este desenvolvimento trouxe uma nova concepção sobre a noção de vivo, sendo agora interpretado como resultante de múltiplas conexões entre as forças inorgânicas com as orgânicas. Relações estas que eram contextualizadas em uma teia complexa de interações espaciais e temporais.

31A construção desta concepção envolveu um ambiente que interpretava a vida como sendo o produto de uma relação e uma interação complexa entre os princípios mecânicos e os teleológicos da natureza. Pois, se a natureza era regida tanto por leis mecânicas, quanto por uma força não-mecânica, cuja função era a de promover a interação entre as diferentes esferas da natureza (LENOIR, 1981, p.312), cujo resultado seriam as morfologias (LENOIR, 1981) que por sua vez se transformavam temporal e espacialmente.

32Para Kant, a melhor representação desta nova concepção de natureza era o organismo, que para Goethe (STEIGERWALD, 2002) funcionava como uma estrutura heurística, portanto uma estrutura epistemológica, onde a nova natureza era pensada como sistematicidade que deveria ser pensada a partir de sua própria dinâmica.

33Para Kant (2000), a noção de organismo permitia que fossem articuladas as relações e as explicações causais com as teleológicas, interação esta que possibilitava o entendimento da dinâmicas da natureza.

34Esta postura de Kant (2000) significou em termos filosóficos uma transformação dos postulados desenvolvidos na Crítica da Razão Pura, onde as leis empíricas e a experiência em interação com os princípios transcendentais, em uma perspectiva histórica, constituíam uma unidade (HUNEMAN, 2006; SLOAN, 2006).

Kant by Gottlieb Doebler

Kant by Gottlieb Doebler

http://upload.wikimedia.org/​wikipedia/​commons/​d/​dd/​, [Public domain], via Wikimedia Commons

35Nesta nova concepção, tal como Buffon, a dinâmica e a história serão as duas grandes estruturas, segundo Kant, necessárias para se compreender a organização e a distribuição espacial da natureza na superfície terrestre. Uma vez que permitiam ao pesquisador identificar a regularidade dos eventos, assim como estabelecer as conexões entre as leis empíricas particulares, com a própria história de transformação da natureza como um todo.

36Esta postura epistemológica exigia por parte do pesquisador uma atitude empírica e indutiva, pois a dinâmica da natureza era diferenciada no tempo e no espaço (SLOAN, 2006).

37Esta dinâmica da natureza se materializa, segundo Kant (LENOIR, 1984) em morfotipos. Estes morfotipos foram chamados por Kant (KANT, 2000) de Naturzwecke. Assim Kant concebia a Naturzweche:

38¨ The first principle required for the notion of an object conceived as a natural purpose is that the parts, with respect to both form and being, are only possible through their relationship to the whole . . . . Secondly, it is required that the parts bind themselves into the unity of a whole in such a way that they are mutually cause and effect of one another” (Kant, 2000, p. 219).

39Inicialmente Kant (2000) concebia os Naturzweche, apenas como corpos orgânicos, que cresciam e se desenvolviam segundo as leis orgânicas, sendo que o mesmo não aconteceria com os corpos inorgânicos, pois estes seriam governados apenas por leis mecânicas.

  • 3 Para estes autores, o calor de um corpo era o produto de uma força vital, um eu imaterial que coman (...)

40No entanto, a partir de 1790, os trabalhos de Johann Friedrich Blumenbach e Johann Christian Reil (LENOIR, 1981), rejeitaram a tradição interpretativa de Sthal e de Caspar Wolff 3, assumindo a premissa de que o calor era um fenômeno da vida e não estava dissociado da matéria. Ou seja, forma e função não eram dissociadas e que o calor era produto dos constituintes do corpo organizado. Com isto, física e química passaram a ser vistas como campos indissociáveis, o que significava dizer que haveria um interação entre os processos inorgânicos e os orgânicos que atuavam de maneira conjugada e interativa na geração da vida e na definição dos morfotipos (LENOIR, 1981 ).

  • 4 Esta posição se desenvolveu intensamente a partir de 1830, a partir dos trabalhos de von Baer, para (...)

41Agora, as diferenciações dos morfotipos, passaram a ser interpretadas como resultantes de conexões entre os processos internos dos morfotipos, a história dos mesmos e as suas condições ambientais. De tal forma, que as conexões poderiam apresentar diferenciações espaçotemporais com inferências diretas nas características e nas propriedades dos morfotipos. Com isto, haveria uma diferenciação espacial dos morfotipos, cujo resultado seriam configurações espaciais morfológicas diferenciadas entre si, permitindo-nos falar em sistemas morfológicos (COLEMAN, 1964, 1973)4.

42Com isto, Kant ampliou a noção de Naturzweche, não separando mais o inorgânico do orgânico na geração de um corpo vivo. Esta nova posição filosófica e epistemológica de Kant foi possível somente a partir do momento em que houve uma requalificação dos princípios regulativos e teleológicos na constituição da razão, com consequências na avaliação do mundo natural.

43Esta nova postura frente aos princípios regulativos eteleológicos no entendimento da natureza, deve-se influencia de Buffon em Kant (HUNEMAN, 2006). Para quem agora, além das leis causais, haveria uma proposta [grifo nosso], um objetivo inerente, uma teleologia na própria lógica de desenvolvimento da natureza, cuja síntese eram os morfotipos.

44Esta mudança filosófica e epistemológica de Kant foi possível graças ao fato de que os princípios regulativos e teleológicos passaram a ter o mesmo status dos princípios constitutivos da razão. De tal forma, que além de participarem ativamente na construção da representação da sistematicidade e da unidade da natureza, também foram vistos como fundamentais na construção do conhecimento humano (CORDEIRO, 2012).

45Para Breitenbach (2006) a requalificação dos princípios regulativos e teleológicos, foi uma estratégia para compatibilizar as leis mecânicas com as teleológicas, permitindo com isto conceber a sistematicidade da natureza a partir de uma relação complexa entre a disposição espacial dos morfotipos, que resultavam da relação entre a dinâmica atual dos mesmos com a história da natureza.

46Com esta nova postura Kant assumia que o conhecimento sobre a vida e a natureza não poderia ser reduzido a meras explicações mecânicas, mesmo princípio que deveria ser aplicado aos morfotipos (KANT, 2000).

47Cada morfotipo teria uma funcionalidade e uma potencialidade, sendo que aí se assentaria o papel do olhar e da percepção do sujeito, pois a observação da dinâmica e da funcionalidade do organismo, ou dos morfotipos, possibilitava a dedução e a reconstrução os eventos passados.

  • 5 O conceito de atualismo difere radicalmente do princípio do uniformitarismo de Hutton e de Lyell. U (...)

48Esta postura de Kant foi possível graças as reflexões geológicas de Abraham Werner, que considerava o espaço como uma estrutura filosófica e epistemológica fundamental para se compreender as variações morfológicas da crosta terrestre (RUDWICK, 2005). Retrabalhando a noção de regularidade de eventos de Buffon; Werner desenvolveu o conceito de atualismo, onde um evento do passado poderia ser explicado por analogia com um evento atual, já que as causas do passado atuariam com intensidade variada no presente5.

49É neste momento que Kant irá produzir a noção de fisionomia [grifo nosso] (SLOAN, 2006) assumem importância metodológica nos estudos sobre a natureza.

50A análise da fisionomia dos morfotipos permitiria ao pesquisador conectar conjuntamente descrição e história da natureza (SLOAN, 2006). Uma vez que os morfotipos seriam produto de uma transformação histórica que envolvia tanto os aspectos intrínsecos da relação entre a esfera orgânica com a inorgânica, como também as relações desta esfera com as transformações ambientais, cujo produto final seriam os conjuntos de morfotipos com suas características fisionômicas e potencialmente diferenciadas, muito embora pudessem geneticamente ter uma história comum.

51Os trabalhos de Buffon (1749-1778) associados às reflexões de Werner possibilitaram a Kant lançar mão da análise da fisionomia das morfologias para se compreender e estabelecer a sistemática da natureza, uma vez que por analogia seria possível reconstruir os eventos passados, mantendo sempre a noção de uma similaridade da forma.

52A consideração da fisionomia na pesquisa científica não possibilitou apenas articular descrição com história da natureza, mas antes, esta articulação somente foi possível devido à entrada do espaço na análise científica.

A geografia física kantiana; descrição e história da natureza

53No período anterior a 1790, Kant considerava que a função da geografia seria a de somente fornecer à razão as bases para uma sistematicidade da experiência, ou seja, ordenar espacialmente as leis empíricas. A geografia, deveria apenas sistematizar a experiência a partir de uma ordenação temporal e espacial das leis empíricas, fornecendo com isto, as condições para que a razão pudesse produzir o conhecimento sobre a natureza (KANT, 1911, 1923; LENOIR, 1984).

54A partir dos trabalhos de Buffon e de Werner, Kant passou a rever os postulados da Crítica da Razão Pura (KANT, 1982), reordenando as relações e o papel das leis mecânicas, assim como os princípios regulativos e teleológicos na definição de uma nova sistematicidade da natureza.

  • 6 O tema relativo à cultura e as raças não será desenvolvido neste artigo, para tanto consultar Zammi (...)

55É o momento em que geografia, antes mera ordenadora da experiência, se transformando em uma ciência chave para se entender a dinâmica da natureza e da cultura na superfície da Terra6.

56Para Kant, o conhecimento geográfico produziria um conhecimento sistemático e total da Terra, sendo a única ciência capaz de produzir uma visão sistemática de natureza. Segundo Kant a geografia possuía particularidades quanto ao método e ao objeto. A geografia como uma ciência unitária possuía como objeto a diferenciação espacial.

57Sob o ponto de vista do método, a geografia era a única ciência que conseguia articular em sua explicação geográfica a narração histórica sobre a transformação da natureza, com a descrição das fisionomias dos morfotipos ou dos sistemas morfológicos e a imaginação. Sendo que esta última tinha a capacidade de ao articular o empírico com o transcendental, produzir o senso de espacialidade.

58Para Kant (ADICKES, 1911, p.169) a geografia era a única ciência que conseguia articular tempo e espaço em uma explicação científica, permitindo com isto a reconstrução dos quadros históricos sobre os eventos da natureza no passado.

Considerações finais

59A concepção de história da natureza desenvolveu-se a partir de meados do século XVIII, cuja centralidade foi à reação da intelectualidade europeia frente aos postulados da filosofia mecânica. Neste processo, destacou-se Buffon que liderou esta reação, propondo que a filosofia mecânica tratava a natureza de forma abstrata, onde dominava a matemática e a geometria. Para Buffon, a natureza era real, empírica e se caracterizava por apresentar eventos que se articulavam em um sistema.

60Aproveitando-se das reflexões de David Hume, Buffon irá propor que o verdadeiro estudo da natureza deve ser empírico e indutivo, onde observação e descrição são as grandes estruturas metodológicas e que permitiriam a geração do conhecimento.

61Para Buffon, tal qual a sociedade humana, a natureza também seria portadora de uma história, portanto dinâmica no espaço e no tempo.

62A concepção de história da natureza trouxe um rompimento radical não somente com a filosofia mecânica de cunho newtoniano, mas também com a noção de fixismo das espécies. Para Buffon, uma espécie possuiria uma história e uma dinâmica, que seria produto das relações internas à espécie, mas também dada pela interferência das determinações ambientais, que poderiam inclusive impor uma transformação de um espécie em outra.

63Estas reflexões de Buffon associadas à concepção de geologia de Werner, onde o espaço era uma categoria importante para se considerar as transformações e diferenciações morfológicas da crosta terrestre; levaram Kant a rever os postulados da filosofia crítica.

64A concepção de que a natureza tinha uma história e uma dinâmica que inclusive poderia transformar uma espécie em outra, levou Kant a repensar os fundamentos desenvolvidos na Crítica da Razão Pura, onde as leis empíricas eram subordinadas aos princípios constitutivos da razão e não tinham qualquer participação na geração do conhecimento.

65O resultado foi à produção da Crítica da Faculdade do Julgar, onde a natureza passava a ser concebida como dinâmica e que se transformava no tempo e no espaço, cujo resultado eram morfotipos, que em conjunto formavam sistemas morfológicos. Esta nova postura de Kant levou o filósofo a propor que como na natureza, a razão também ela tinha uma história. Esta postura de Kant foi o resultado de uma revisão no esquematismo dos princípios da razão, onde agora, os princípios regulativos e teleológicos passaram a ter o mesmo status dos princípios constitutivos.

66O resultado desta transformação na filosofia kantiana foi uma redefinição de seu conceito de ciência, onde a geografia passou a ser considerada a única ciência capaz de trabalhar com a sincronia do espaço no tempo e ao mesmo tempo articular as diferenciações espaciais e temporais das leis empíricas com as transcendentais.

67A Physische Geographie de Kant, assim como outras obras em que a reflexão geográfica se apresenta como estruturante de um pensamento crítico, leva-nos a refletir sobre a complexidade do conceito de geografia em Kant. Esta complexidade está, a nosso ver, relacionada ao fato de que em Kant a reflexão geográfica possui forte embasamento filosófico e que somente a partir disso o filósofo chegou a pensar em uma epistemologia da ciência.

68É neste quadro de complexidade que devemos ler o significado que Kant atribui à expressão descrição da natureza. Esta não é meramente empírica, mas dotada também de relevância universal, teórica, transcendental nos dizeres de Kant.

69Deve-se destacar que o pensamento geográfico em Kant não se restringe apenas à Physische Geographie ‒ aliás, se tomarmos apenas esta como referência central, pouco ou quase nada da riqueza do pensamento geográfico de Kant pode nos ser revelada. A associação desta com as demais obras revela-nos uma riqueza conceitual, em que se destaca o papel do espaço e da localização do lugar na determinação do conhecimento do mundo.

70ADICKES, Erich. Untersuchungen zur Kants physische Geographie. Tübingen: Mohr, 1911.

71BREITENBACH, Angela. Mechanical explanation of nature and its limits in Kant’s Critique of Judgment. Studies in History and Philosophy of Biological and Biomedical Sciences., 37, 2006, p. 694-711.

72BUFFON, Georges Leclerc. Histoire naturelle, génerale et particulière. 36 vols., Paris: L’Imprimerie Royale, 1749-1778.

73COLEMAN, William. Limits of the recapitulation theory: Carl Friedrich Kielmeyer’s Critique of the Presumed Parallelism of Earth History, Ontogeny, and the Present Order of Organisms. Isis, 64, 1973, p. 341-350.

74______. Georges Cuvier, Zoologist: a study in the history of evolutionary theory. Cambridge Mass.: Harvard University Press, 1964.

75CORDEIRO, Renato Valois. O princípio da finalidade formal como um princípio regulativo-transcendental da faculdade de julgar reflexiva. Studia kantiana, 12, 2012, p. 154-174.

76CROMBIE, Alexander. Historia de la ciencia: de San Agostinho a Galileo. Madrid:Alianza Editorial, 1954.

77DUSCHESNEAU, François. Vitalism in late eighteenth-century physiology: the cases of Bartez, Blumenbach and John Hunter. In: BYNUM, William F. e PORTER, Roy. William Hunter and the Eighteenth-Century Medical World. Cambridge:Cambridge University Press, 1985, p. 259-295.

78HUME, David. Tratado da natureza humana. SP: Editora da Unesp/Imprensa Oficial, 2000.

79______. Investigações sobre o entendimento humano e sobre os princípios da moral. SP: Editora da Unesp, 2003.

80HUNEMAN, Philippe. Naturalising purpose: from comparative anatomy to the ‘adventure of reason’. Studies in History and Philosophy of Biological and Biomedical Sciences. 37, 2006, p. 649-674.

81JACOB, Margaret C. The radical enlightenment: freemasonry and politics in eighteenth-century Europe. NY:Oxford University Press, 1981.

82JORDANOVA, Ludmilla. Languages of nature: critical essays on Science and literature. London: Free Association Books, 1986.

83KANT, Immanuel. Physical Geography. Cambridge: Cambridge Editons, 1911, 9 vols.

84______. Physische Geographie. Akademie Ausgabe of the Gesammelten Schriften, (AK.9), 1923.

85______. Crítica da Razão Pura. Lisboa: Fundação Gulbenkian, 1982.

86______. Critique of the Power of Judgment. NY: Cambridge University Press, 2000.

87KIERNAN, Colm. The enlightenment and Science in eighteenth-century France. In: BESTERMAN, Theodore (org.) - Studies on Voltaire and the Eighteenth Century. Oxfordshire:Voltaire Foundation, 1973, p. 21-35.

88KRON, Wolfgang. e KÜPPES, Günther. Die natürlichen ursachen der zwecke: Kants ansätze der selbstorganisation. Selbstorganisation: Jahrbuch für komplexität in den Natur, Sozial und Geisteswqissenschaften, 3, 1992, p. 7-15.

89LENOIR, Timothy. Teleology without regrets. The transformation of physiology in germany: 1790-1847. Studies history Philosophical Science. Vol. 12, n. 4, 1981, p. 293-354.

90MAY, J. Kant’s concept of geography. Toronto: Toronto University Press, 1970.

91MORNET, Daniel. Les enseignements des bibliothèques privies (1750-1780). Revue d’Histoire Littéraire de la France, 17, 1910, p. 469.

92REILL, Peter Hanns. Vitalizing nature in the enlightenment. Berkeley: University of California Press, 2005.

93SLOAN, Phillip. The Buffon-Linnaeus controversy. History of Science Society, vol.67, n. 3, 1976, p. 356-375.

94______. Kant on the history of nature: the ambiguous heritage of the critical philosophy for natural history. Studies in history and philosophy of biological and biomedical sciences, 37, 2006, p. 627-648.

95STEIGERWALD, Joan. Goethe’s morphology: Urphänomene and aesthetic appraisal. Journal of the History of Biology, 35, 2002, P. 291-328.

96SPARY, Emma. Utopia’s garden: French natural history from old regime to revolution. Chicago:University of Chicago Press,

97RUDWICK, Martin. Bursting the limits of Time. Chicago: University of Chicago Press, 2005.

98ZAMMITO, John H. Kant, Herder,. The birth of anthropology. Chicago: The University Chicago Press, 2002.

Haut de page

Notes

1 Kant considera como ideia regulativa as regras ao espírito, elas são máximas que guiam a especulação filosófica. As ideias regulativas não determinam nenhum objeto para ser investigado, mas estimulam o entendimento a procurar sempre uma perfeição maior dos seus conceitos (BREITENBACH, 2006), um exemplo é o conceito de espaço absoluto.

2 Segundo Crombie (1954) durante a escolástica a observação era o único recurso metodológico para a investigação da natureza. Pois o fundamento era a contemplação do corpo de Deus. Com a revolução científica moderna no século XVII, será descrição que guiará a investigação. Pois agora, a natureza, a superfície da Terra, era passiva e não continha nenhuma qualidade oculta.

3 Para estes autores, o calor de um corpo era o produto de uma força vital, um eu imaterial que comandaria a relações entre os processos inorgânicos e os orgânicos dos seres vivos (LENOIR, 1981).

4 Esta posição se desenvolveu intensamente a partir de 1830, a partir dos trabalhos de von Baer, para quem o sistema de morfotipos era concebido como tridimensional e seria o produto complexo no espaço e no tempo. Esta complexidade seria dada pela interação entre as esferas da natureza (clima, rocha, solo, vegetação e água) e onde o inorgânico e o orgânico se interagiam para produzir as qualidades do morfotipo, bem como suas potencialidades futuras. (LENOIR, 1981 ).

Esta mesma posição epistemológica, a da dinâmica na definição das características da forma, foram defendidas por Kant em sua teoria da raça, quando rompeu com a noção de fixismo. Para isto ver Zammitto (2000).

5 O conceito de atualismo difere radicalmente do princípio do uniformitarismo de Hutton e de Lyell. Uma vez que o uniformitarismo considera que as causas que atuaram no passado atuam com a mesma intensidade no presente (RUDWICK, 2005).

6 O tema relativo à cultura e as raças não será desenvolvido neste artigo, para tanto consultar Zammito (2002).

Haut de page

Table des illustrations

URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9895/img-1.png
Fichier image/png, 126k
Titre Kant by Gottlieb Doebler
Crédits http://upload.wikimedia.org/​wikipedia/​commons/​d/​dd/​, [Public domain], via Wikimedia Commons
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9895/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,5M
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9895/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 127k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Antonio Carlos Vitte, « A Physische Geographie de Immanuel Kant: descrição e história da natureza », Confins [En ligne], 22 | 2014, mis en ligne le 29 novembre 2014, consulté le 29 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/9895 ; DOI : 10.4000/confins.9895

Haut de page

Auteur

Antonio Carlos Vitte

Departamento de Geografia, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências, Unicamp, Campinas (SP), Brasil. CP 6152, CEP 13083-970. Pesquisador CNPq. E-mail: acarlosvitte@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org