Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

O Brasil visto do Mato Grosso do Sul

Andrerika Vieira Lima Silva

Entrées d’index

Index géographique :

Mato Grosso do Sul
Haut de page

Notes de la rédaction

A autora, após ter lido o artigo de René Somain, 2014, « Preconceitos regionais » (Confins 21, http://confins.revues.org/9708, DOI : 10.4000/confins.9708), e usado o mesmo em atividade escolar, mandou para a revista o mapas produzidos pelos alunos, que foram a base do artigo abaixo. Se professores/as de outros Estados querem continuar esta série sobre preconceitos regionais, as suas propostas serão bem-vindas

Texte intégral

PantanalAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry
  • 1 Ana Carolina Aguirres Braga, Ana Carla Silveira de Souza, Bruno Lima Santos, Bruno Lipparelli, Caro (...)

1A atividade foi realizada com duas turmas do segundo ano do ensino médio do campus Campo Grande do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul1. Apesar de ser uma escola pública, o Instituto Federal recebe vários alunos oriundos de instituições particulares. Os estudantes passam por um processo seletivo para entrar na instituição, que adota sistema de cotas (50%) para estudantes de escolas públicas. A motivação para desenvolver o trabalho veio a partir das observações da professora, pelo fato de a turma fazer piadas com estudantes originários de outros estados, e até mesmo de outras regiões do estado de Mato Grosso do Sul.

2Iniciamos as discussões em sala com mapas mundi que ilustram a visão estadunidense e a visão eurocêntrica de mundo. Os estudantes observaram que nesses mapas o Brasil é retratado sempre associado a temas como carnaval, mulheres e uso de drogas. Os estudantes se mostraram indignados com essa visão preconceituosa sobre o país. A partir desse ponto, a professora levantou a seguinte questão: “Será que nós somos preconceituosos com o nosso país também?”, utilizando como exemplos os mapas publicados na Confins. Os alunos ficaram indignados quando perceberam que o Mato Grosso do Sul é retratado como um estado que tem apenas “mato e índios” por outros habitantes do país e muitos dos estudantes compartilharam experiências com a turma de viagens para fora do estado, onde foram de certa forma hostilizados por morarem em um estado pouco conhecido.

3A partir de então, a professora solicitou que os estudantes se dividissem em grupos e elaborassem mapas que ilustrassem a visão que eles têm de outras regiões do país. Na semana seguinte, os estudantes trouxeram os mapas e discutiram os trabalhos com toda a turma.

Figura O Brasil visto do Mato Grosso do Sul

Figura  O Brasil visto do Mato Grosso do Sul

4Como vemos o sul

5Um dos fatos que mais chamaram a atenção é que praticamente todos os estudantes representaram a região sul em azul (a cor do frio, provavelmente). A ideia de associar o sul ao frio está presente em quase todos os mapas.

6Alem disso, está muito presente a ideia da beleza. Segundo eles, o sul é europeu, portanto, os habitantes são loiros. E os loiros são mais bonitos que nós. Como discutir essa visão em sala quando a própria professora é prova disso para eles? Veio do sul e é branca... Quando pergunto para eles: “Mas vocês acham que todo mundo no sul é loiro?” A resposta é sempre a mesma: “A maioria”.

7Como vemos o norte

8A região norte (em especial o estado do Amazonas é sempre representado em verde (representando a ideia generalizada de mato)

9Os estados do Acre e do Espírito Santo foram apontados pelos estudantes como os que eles menos conhecem (existem várias brincadeiras na internet associadas à existência do estado do Acre). Muitos também reproduziram essa “brincadeira” nos seus mapas. Grande parte estudantes sequer conseguiu localizar o estado do Espírito Santo no mapa do Brasil.

10Como vemos nossos vizinhos

11Outra ideia generalizada na turma é sobre o estado do Mato Grosso. Um dos grupos os classificou como: “Invejosos, se acham”. Quando questionados o porquê dessa classificação, os estudantes argumentaram que a inveja é motivada pelo fato de o Mato Grosso do Sul ter ficado com a maior parte do Pantanal quando o estado de Mato Grosso foi dividido. Os mapas ainda ilustram a insatisfação dos adolescentes com o fato de o estado de Mato Grosso ter sido uma das sedes da Copa do Mundo, derrotando Mato Grosso do Sul. Segundo os próprios alunos, a insatisfação foi maior porque, na época da escolha, Campo Grande (MS) era considerada favorita, uma vez que é uma capital planejada, com avenidas largas, e grandes parques. Ainda assim, Cuiabá ganhou a eleição e batizou seu estádio de “Arena Pantanal”. A mesma ideia está presente no mapa que descreve Mato Grosso da seguinte maneira: “Roubaram a copa e agora vão ter que aguentar o calor”. Cuiabá é conhecida por ser uma das cidades mais quentes do país.

12Como vemos São Paulo

13Para os adolescentes o mais comum (e até esperado por essa professora) é que a visão de São Paulo é a da violência. Quando perguntado o motivo de tal visão, eles disseram que é isso que a televisão mostra da cidade.

14Outra visão comum nesse ano foi a da seca, evidenciada no mapa São Paulo está descrito como “Novo Nordeste”. Por que Nordeste? Porque os estados famosos com o problema de falta de água são os nordestinos. Em um dos mapas essa visão fica bem evidente. Nesse mapa, São Paulo, Rio de Janeiro e parte do nordeste estão juntos na região denominada “deserto”.

15Como nos vemos

16Em um dos mapas (que ficou difícil de ver), os alunos descreveram a sua própria região como “Pantanal Civilizado”, de acordo com eles, porque essa região apresenta o agronegócio desenvolvido, apesar das grandes áreas de reserva ambiental. Segundo eles, o Amazonas tem apenas florestas. Observa-se aqui uma ideia de floresta como ruim, atrasado, subdesenvolvido. Percebemos uma dualidade: os estudantes se orgulham de morar no estado que abriga o Pantanal, mas tem medo de serem vistos como habitantes de um estado que tem florestas (ou nato)

17Observação: Tereré é a bebida típica do estado de Mato Grosso do Sul. Também muito consumida no Paraguai, Mato Grosso e algumas regiões do Paraná. É uma bebida fria de erva mate e água. Segundo os alunos, o tereré é mais que uma bebida: tem uma função social. É sempre uma boa desculpa para reunir os amigos em uma roda de conversa.

Haut de page

Notes

1 Ana Carolina Aguirres Braga, Ana Carla Silveira de Souza, Bruno Lima Santos, Bruno Lipparelli, Caroline Lauren Andrade Rodrigues, Charles Luiz de Santana Junior, Fadhua da Costa Campos, Felipe Viscardi Rebelo, Fernanda Santos da Silva, Gabriel Rodrigues da Silva, Gessé da Silva Ferreira, Ítalo Cades Ponte Batista Alves, João Carlos Lopes da Silva, Larissa Ferra Gonzalez, Lucas Pecois Matos, Luis Felipe Cristaldo, Maria Clara da Silva Nero, Maria Gabriela Batista Alves, Pedro de Souza Higa, Pedro Henrique Kuzminskas Miyazaki de Souza, Reniel Braga Silva, Thales Clovacki Teixeira, Thainara Clovacki Luiz, Vinícius Ferreira Vinhas, Vitor de Souza Xavier

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura O Brasil visto do Mato Grosso do Sul
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/9946/img-1.png
Fichier image/png, 307k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Andrerika Vieira Lima Silva, « O Brasil visto do Mato Grosso do Sul », Confins [En ligne], 23 | 2015, mis en ligne le 02 mars 2015, consulté le 22 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/9946 ; DOI : 10.4000/confins.9946

Haut de page

Auteur

Andrerika Vieira Lima Silva

Professora do IFMS campus Campo Grande, andrerika.silva@ifms.edu.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org